21 mar 2008

“TUDO ESTÁ CONSUMADO” Jo 18,1-19,42

Sexta-feira Santa! Hoje é o dia em que se faz silêncio; um silêncio respeitoso, como acontece nos velórios, porque estamos recordando o falecimento, a morte mais importante que existiu neste mundo, a morte do homem-Deus, Jesus.

Tudo está consumado”. Quem for à igreja, hoje, para participar das funções litúrgicas, vai se ajoelhar quando ouvir essa frase. Vamos dobrar os joelhos como fez o centurião, logo após ouvir as palavras da boca do condenado: “Pronto, tudo está consumado. Tudo acabou”. Essas foram as últimas palavras de Jesus antes de morrer; palavras que têm a força de um selo, de um carimbo, de uma assinatura no final de um testamento. Mas, o que quer dizer “tudo está consumado”?

Por acaso essas palavras foram motivadas pelo fracasso de uma vida concluída com a condenação? Ou com a decepção de não ter sido entendido? A fé do centurião diz que não: “na verdade ele era o filho de Deus”. E a minha fé também diz que não. Para mim, Jesus estava dizendo: “Pronto, fiz o que tinha de fazer; concluí minha missão na terra; fiz a vontade de meu Pai no céu; tudo está consumado”. Não há dúvida de que se trata de um mistério; um mistério que provoca muitas perguntas.

Mas a fé é assim mesmo; a fé trata com mistérios. O silêncio que fazemos espontaneamente, hoje, é uma boa ocasião para refletir sobre o mistério da morte de Jesus e sobre o mistério da nossa morte. Podemos dizer que são dois mistérios bem diferentes, porque a minha morte, humanamente falando, é natural; vai acontecer um dia, quer queira quer não. O mistério da morte de Jesus está no fato de que, sendo ele Deus, como dizia, não poderia morrer; ou seu mistério está contido na vontade de Deus, ainda incompreensível para nós.

Enquanto o mistério de nossa morte fica reservado para o depois, para o que acontecerá conosco após a morte. Nesse caso, nossa morte em si não constitui mistério, e sim o que vem depois. Quanto a esse último mistério colocamos nas mãos de Deus, falando como falou Jesus: “Tudo está consumado. Pai, nas vossas mãos entrego o meu espírito”.

Junto com nossa tristeza piedosa vai o nosso agradecimento por esse mistério: Verbo feito carne. Morto para a Morte da nossa morte e Ressuscitado para a Vida da nossa vida.

Comentários

Outubro

42%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários