26 ago 2013

Tenho vivido de aparências?

Nós podemos ter nossos limites, nossas faltas, nossas falhas (ninguém é perfeito), mas devemos buscar a perfeição e não viver de aparências.

“Ai de vós, mestres da Lei e fariseus hipócritas! Vós fechais o Reino dos Céus aos homens. Vós porém não entrais” (Mt 23,13).

Jesus, doce, manso e humilde de coração, é firme quando precisa sê-lo. Sobretudo com a hipocrisia daqueles que exigem viver uma coisa, mas não a vivem; pior ainda, são duros e exigentes com outras pessoas, mas eles mesmos não colocam nada em prática daquilo que dizem. São demais exigentes com os outros, mas facilmente se esquecem dos seus próprios erros, das suas próprias falhas; facilmente enganam os outros, induzindo-os ao erro, mas não colocam em prática aquilo que se propõem a viver.

“Guias cegos”, nos diz Jesus. Não são capazes de esconder nem seus próprios interesses. Sim, porque eles, muitas vezes, aceitam que se faça o sacrifício no Templo pelo dinheiro, por aquilo que vão obter de lucros, mas não pelo dom da santificação, do altar ou do templo.

Essa hipocrisia é totalmente condenada pelo Senhor, por isso Jesus fala, com toda a veemência do Seu coração, condenando esse tipo de comportamento.

Deixa eu dizer a você: nós podemos ter nossos limites, nossas faltas, nossas falhas (ninguém é perfeito), mas devemos buscar a perfeição e não viver de aparências. Temos de corrigir, consertar nossos comportamentos ou qualquer coisa que fazemos, mas que não são dignas do Reino de Deus.

A Palavra do Senhor nos convida a sermos mais autênticos. A autenticidade começa quando conhecemos os nossos próprios limites, não quando disfarçamos ou fingimos não tê-los; a autenticidade acontece para valer quando colocamos Deus em primeiro lugar e nos esforçamos para viver Sua Palavra em nossa vida.

Deus abençoe você!

:: Ouça esta reflexão no Canal Pod Homilia

Comentários