20 jan 2012

Seja um evangelizador!

Jesus escolheu doze de Seus discípulos para serem Seus apóstolos, conforme também nos narra Mateus 10,1-4; 11,1; 26,20; e Lucas 6,13-16.

Após a Morte e Ressurreição de Cristo eles são onze, até ser escolhido um substituto para Judas – que O traiu e enforcou-se a seguir (cf. Mateus 28,16).

No livro do Apocalipse Jesus confirma-os como sendo doze na revelação a João: “O muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles estavam os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro” (Apocalipse 21,14). E para que não nos apresentasse somente uma quantidade de homens Jesus os denomina dizendo quem são e de onde são. Portanto, trata-se de pessoas bem conhecidas d’Ele.

Nesse trecho do Evangelho, Jesus escolhe alguns discípulos de Sua confiança, que tinham interesse por Ele e pelas coisas que Ele dizia. Esses discípulos, conhecidos como apóstolos, foram os primeiros e os mais autorizados discípulos do Mestre Jesus em passar adiante os ensinamentos d’Ele. Tradição esta que começou com os discípulos que O viram, que conviveram com Ele, que beberam de Seus lábios a Palavra do próprio Deus, inspiradas pelo Espírito Santo. Razão pela qual, sempre que vamos ouvir a Palavra ou meditar sobre ela com todo o arcabouço de fé que possuímos, costumamos pedir as luzes do Espírito Santo. Ele que falou de tantos modos aos patriarcas, profetas e apóstolos, que nos ilumine, para que a Palavra de Deus seja uma coisa viva em nós.

Quando Jesus escolheu os Doze seguidores, não estava dando a eles apenas um privilégio de estarem mais perto d’Ele, mas estava lhes conferindo um ministério apostólico, com a incumbência de levarem a todo o mundo a salvação trazida por Ele. E os discípulos entenderam muito bem; tanto que fizeram questão de guardar e transmitir com fidelidade a mensagem recebida a todos os homens e mulheres de boa vontade. Eu agradeço essa grande graça de ter recebido a mensagem de Jesus por intermédio de Seus apóstolos!

Como o chamado não parou com a eleição dos Doze e continua até os dias de hoje, eu e você somos também chamados a guardar e transmitir aos nossos irmãos – a começar pelos da nossa casa – a Boa Nova da Salvação. Eu tenho consciência plena e viva de que a Palavra do Salvador: “Eu devo anunciar a Boa Nova do Reino de Deus” se aplica com toda verdade a mim e a você. Por isso, com São Paulo digo: “Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; é, antes uma necessidade que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!”

Quero confirmar, uma vez mais ainda, que a tarefa de evangelizar a todos os homens constitui a missão essencial minha e sua como Igreja; tarefa e missão, que as amplas e profundas mudanças da sociedade atual as tornam ainda mais urgentes. Evangelizar constitui, de fato, a graça e a vocação própria da Igreja, a sua mais profunda identidade. Ela existe para evangelizar, ou seja, para pregar e ensinar, ser o canal do dom da graça, reconciliar os pecadores com Deus e perpetuar o sacrifício de Cristo na Santa Missa, que é o memorial da Sua morte e gloriosa ressurreição. Portanto, seja um evangelizador!

Padre Bantu Mendonça

Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários