05 Dec 2007

SEGUNDO MILAGRE DA MULTIPLICAÇÃO DOS PÃES Mt 15,29-37

O logo, logo o Senhor sem demora chegará. Ele iluminará o que estava coberto pelas trevas e se manifestará a todos os povos. É convite que se nos faz nestes dias do Advento. E enquanto esperamos precisamos de nos alimentar da palavra e do corpo de Jesus o alimento vivo do homem peregrino em direção à Pátria definitiva.

Neste texto da multiplicação dos Pães Jesus toma a iniciativa difrentemente do primeiro milagre. Ele olha para a multidão e sete compaixão. Quero entender nesta ‘ compaixão d’Ele não só a fome física, mas sobretudo a fome e a sede messiânica. O povo tem sede e fome da palavra de Deus. Esperava por um libertador que viesse quebrar as cadeias injustas e que tornasse presente o reino de Deus. E precisamente Jesus, desde o início de seu ministério, dirige-se a judeus e a gentios, fazendo discípulos entre eles. Esta atitude de mestre leva-nos a entender melhor o seu plano salvífico. Jesus é o salvador de todos os homens e do homem todo. Em Mateus temos, em primeiro lugar, um resumo das atividades de Jesus entre os gentios. Ele mantém-se em contato com as multidões, o que seria uma impureza do ponto de vista do judaísmo. As diversas curas de Jesus são sinais de sua ação libertadora da opressão e da exclusão. Já ocorrera uma partilha dos pães na área de influência do judaísmo, onde Jesus abençoa os pães (Mt 14,19). Agora a partilha dos pães se dá no próprio território gentílico, e Jesus dá graças ao partir o pão. Para nos ensinar que a nossa oração deve ser sempre de ação de graças, mesmo quando fazemos um pedido. Ação de graças por quê? Porque Deus sabe as nossas necessidades antes mesmo de lhas pedir e porque esperando e confiando temos a certeza de que Ele nos atenderá e nos dará o que pedidos. Por isso, louvamos e agradecemos por tudo o que fez a nosso favor.

Comendo com os gentios, revela que o banquete do Reino é para todos. A multiplicação dos pães representa e preanuncia o banquete eucarístico ao qual todos são convidados, principalmente os pobres, doentes, desamparados, humildes e todos aqueles que ajudam os necessitados. Entre eles também nós queremos estar: Se procurarmos a Jesus com humildade, conscientes de nossa miséria ele nos cura pelos sacramentos, principalmente os da penitência e da Eucaristia. Poucos pães e poucos peixes se tornam matéria de salvação, de milagre, de vida. Na Missa, a oferta de nossas ações, de nossos sofrimentos e alegrias, de nosso trabalho se torna para nós matéria que é assumida e valorizada, feita parte integrante do sacrifício.

A ordem de Jesus de recolher os fragmentos lembra-nos o dever de cuidarmos das minúcias, dos pormenores, com atenção às pequenas coisas, as únicas afinal que podemos oferecer. Poderia ser também uma advertência à nossa civilização de abundância para um mais generoso desinteresse no uso dos bens.

Que o Senhor prepare os nossos corações com a força da Sua graça, para que ao chegar o Cristo nosso Salvador nos encontre dignos do banquete da vida eterna e Ele mesmo passando nos possa servir o alimento da eternidade. Amén!

Novembro

56%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.