20 abr 2013

Respondemos a Cristo com incredulidade ou fé?

Diante de um abandono quase total de todos aqueles que tinham comido e visto tantos prodígios, Jesus volta-se para os discípulos e lhes faz uma pergunta: “Acaso também vós quereis partir?” A debandada foi, ao que parece, geral. As fileiras ficaram praticamente vazias. Era o momento de Jesus animar aos que restavam e que Ele tinha escolhido a dedo: os Doze Apóstolos. A pergunta não deixa de ocultar implicitamente uma recriminação, caso a resposta fosse negativa. Jesus praticamente lhes diz: “Vós também sois do tipo pusilânime e covarde que na dificuldade desanima e foge?”

Ante a pergunta de Jesus, Pedro, em nome de todos, rompe o silêncio e responde: “Senhor, a quem iremos nós? Só tu tens Palavras de vida eterna”. A resposta de Pedro tem como sujeito a quem interpelar, a palavra “Senhor”. Evidentemente, não é o mesmo Senhor do Ressuscitado, que recebeu o poder, segundo Ef 1, 20. Mas indica no caso uma submissão a quem tem autoridade. Pedro não encontra outro líder, porque as palavras de Jesus continham uma verdade eterna, a única que propriamente pode ser declarada como verdade.

Por isso, nós acreditamos e sabemos que Tu és o Ungido, o Filho do Deus, Aquele que devia vir ao mundo.

Pedro ouviu e interpretou corretamente as palavras de seu Mestre. Certamente, se Ele afirmava que seu Pai era Deus, o Deus vivo de Israel, Pedro estava disposto a admitir e acreditar nessas palavras que eram palavras de vida.

No texto de hoje, se descrevem duas reações opostas ao discurso – e poderíamos dizer à história – de Jesus. A sua Palavra tem uma resposta negativa: a incredulidade, porque é palavra difícil e exige uma submissão prática da vida não só no modo de pensar mas também no modo de atuar. Ou pode ter uma resposta positiva como a dada por Pedro: a fé. Mas uma fé, não no homem sábio, brilhante, mas na testemunha que conta o que viveu no seio de Deus.

A sua Palavra está corroborada por obras admiráveis. Se nestas não acreditamos, desaparece o Filho de Deus e só fica o homem Jesus, admirável em palavras e condutas, mas puramente humano, de quem podemos tomar as palavras que nos convêm e descartar as palavras difíceis que atrapalham o nosso ideal ou a nossa maneira de vida. Jamais serão vida para nós.

Oxalá, Simão Pedro interceda por nós para que, diante de tantos profetas da falsidade, possamos sempre reconhecer nas palavras de Jesus, a Vida, a Verdade e o Caminho que nos conduz à Deus, nosso Pai. Pois elas são Palavras de Vida Eterna.

Padre Bantu Mendonça

Comentários