11 set 2011

Perdão, força divina e transformadora

Mateus nos apresenta esta parábola sobre o perdão como o núcleo do Sermão de Jesus sobre a Igreja. Diante das palavras de Cristo sobre a correção fraterna e a reconciliação, Pedro pergunta: “Quantas vezes devo perdoar se meu irmão me ofender? Até sete vezes?”

Nesta pergunta do apóstolo podemos ver o conhecimento dele sobre a necessidade de perdoar sempre. Tendo em vista que o número sete, segundo as Sagradas Escrituras, significa perfeição. Com este nobre pensamento, Jesus quer que os discípulos avancem para águas mais profundas. Ele não põe limite para o perdão: “Não te digo até sete, mas até setenta vezes sete!”

O homem – sendo imagem e semelhança de Deus – está vocacionado a viver o perdão d’Ele, por amor às criaturas. Assim como Deus é amor, misericórdia e perdão para com os homens, assim também deve ser o homem para com os seus irmãos.

A parábola que Jesus conta a Pedro é uma forma pedagógica para esclarecer a Sua resposta. Assim como o perdão de Deus não tem limites, assim deve ser o meu e o seu perdão. Se nós não aprendermos a perdoar os nossos irmãos, Deus virá e nos chamará de miseráveis e então nos mandará para fora do Seu Reino como aquele empregado que não soube perdoar ao seu semelhante.

Existem nos dias de hoje muitos que dizem: “Perdoo, mas não esqueço!” Como cristão, qual tem sido a sua posição, diante do infinito perdão de Deus, no trato com os seus semelhantes? Jesus deu o exemplo. Na hora de ser morto pediu a Deus Pai que perdoasse a Seus assassinos (cf. Lc 23,34).

Será que sou capaz de imitar a Jesus? Muitas vezes queremos que Deus nos perdoe pelos nossos pecados. Mas não queremos perdoar aos outros. Como é que o Todo-poderoso nos perdoará se nós não o fazemos? Veja o que Jesus disse: “É isso o que o meu Pai, que está no céu, vai fazer com vocês se cada um não perdoar sinceramente o seu irmão”.

O Evangelho de hoje recorda-nos a necessidade de vivermos o eterno perdão. Perdoar significa desculpar. E desculpar significa justificar-se de alguma falta cometida. Então, quando você perdoa, você desculpa a falta ou a falha cometida por alguém em relação a você. O ato de perdoar vai além do nosso entendimento humano; sabe por quê? Porque ele é divino, vem do alto, nasce no coração de Deus e somente por meio do Espírito Santo pode atingir o fundo do nosso coração, local onde tudo se faz e se desfaz, para que, a partir daí, possamos ter a graça santificante de perdoar aos nossos irmãos assim como Deus, em Cristo, nos perdoou.

Vejamos o que nos diz o Catecismo da Igreja Católica: “Não está em nosso poder não mais sentir e esquecer a ofensa; mas o coração que se entrega ao Espírito Santo transforma a ferida em compaixão e purifica a memória, transformando a ofensa em intercessão”.

Estamos vivendo e sentindo a profundidade dessa frase? Pois é, para que nós, na nossa pequenez, consigamos perdoar dessa maneira é de suma importância que antes tenhamos sentido no fundo do nosso coração a plenitude do amor de Deus Pai! Sem a experiência desse amor tão grande é impossível perdoar.

Somente repletos e encharcados “por” e “nesse” amor poderemos verdadeiramente perdoar do fundo do coração.

Você precisa pedir em oração que Jesus o ensine a amar cada vez mais a Deus e ao próximo como a si mesmo. Acredite, meu irmão: é só na oração que existe a verdadeira comunicação com o Senhor. E a oração cristã nos conduz ao perdão dos inimigos.

A oração transforma o discípulo, configurando-o a Jesus e é exatamente nesse momento que, perdoando, estaremos dando testemunho de que, em nosso mundo, o amor é mais forte que o pecado e que o perdão é a condição fundamental da reconciliação dos filhos de Deus com seu Pai e dos homens entre si.

O perdão é o ponto mais alto da nossa oração e o dom da oração só pode ser recebido por aqueles que estão em consonância com a compaixão de Deus. Para perdoar é necessário compadecer-se e, para compadecer-se, é necessário amar incondicionalmente a Deus e ao próximo. Não há limite e nem medida para o perdão que é essencialmente divino.

Pai, predispõe meu coração para o perdão. E que eu esteja sempre disposto a perdoar e a querer viver reconciliado com meu semelhante. Senhor Jesus, ensinai-me a graça de perdoar sempre.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários

Setembro

50%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários