13 out 2011

O ser humano tem uma lei inscrita por Deus em seu coração

No seu caminho, Jesus desmascara os donos da estrutura antiga. Os fariseus deixam de lado a justiça e o amor de Deus e, para esconder roubos e maldades, se refugiam atrás de todo um aparato de falsa religiosidade. Os especialistas em leis se apossam da chave da ciência, isto é, interpretam as leis de acordo com seus próprios interesses; exercem assim controle ideológico sobre o povo, impedindo-o de ver as possibilidades de transformação.

A franqueza usada por Jesus no confronto com os seus adversários lhe permitia entrever o que se passava no coração deles. Recusava-se a pactuar com sua hipocrisia, denunciando o modo como pretendiam agradar a Deus. Essa liberdade de Jesus em denunciar o comportamento dos seus adversários só podia torná-lo alvo de ódio feroz.

A experiência do Mestre estava em perfeita consonância com a dos profetas do passado. Também eles foram perseguidos e mortos, sem que o povo desse ouvido a seus apelos. Em outras palavras, preferiu-se calar a voz de Deus ao invés de acolhê-la com humildade e desejo de conversão.

Mais que todos os profetas e mensageiros do passado, Jesus era a voz privilegiada de Deus na história humana. Na condição de Filho, fora enviado para proclamar o caminho da Salvação. Todas as Suas Palavras e ações deveriam levar as pessoas a se converterem para o Reino. No entanto, por parte de um grupo de escribas e fariseus, só encontrou fechamento e recusa de acolher o caminho que Ele lhes propunha.

A você que é sacerdote, líder de grupo, responsável de setor, catequista, professor, pai, mãe, enfim, a você que ocupa uma liderança – seja dentro do lar, da comunidade eclesial ou da sociedade civil – saiba que o Pai pedirá contas a você desse grupo de pessoas sob a sua responsabilidade, como pediu aos doutores da Lei e aos fariseus que derramaram o sangue dos profetas desde a criação do mundo. Tamanha insensibilidade clamou – e pode continuar clamando – aos céus! E a punição disso manifestou, e continua manifestando, a rejeição divina em pactuar com a maldade.

Deus quer que eu e você não façamos pacto com a maldade. Siga a lei da consciência. De pouco teria servido Deus ter gravado na natureza humana a lei moral – que dirige e salvaguarda a liberdade – se ao mesmo tempo não tivesse dado uma capacidade conatural de conhecê-la; de modo que os imperativos morais realmente orientem a conduta do ser humano para com Deus, que é o autor da Lei.

A Providência Divina não falha e, como ensina a Constituição Pastoral Gaudium et Spes do Concílio Vaticano II, no profundo de sua consciência o homem descobre uma lei que ele não deu a si mesmo, mas a qual deve obedecer e cuja voz ressoa, quando necessário, nos ouvidos de seu coração, chamando-lhe sempre a amar e a fazer o bem e a evitar o mal: faz isto, evita aquilo. O ser humano tem uma lei inscrita por Deus em seu coração, em cuja obediência está a dignidade humana e pela qual será julgado.

Lembro que a consciência é o núcleo mais secreto e o “sacrário” do ser humano, no qual ele está a sós com Deus, cuja voz ressoa no mais íntimo dela. Portanto, faça o bem e evite o mal. Assim, você será feliz diante de Deus e dos homens.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários