05 nov 2012

Na Igreja de Cristo, todos somos convidados à festa

Jesus olhou tanto para o dono da festa como para os convidados e ficou desapontado. Então, levantando a cabeça, dirigiu a palavra ao dono da festa: “Quando você der um almoço ou um jantar, não convide os seus amigos, os seus irmãos nem os seus parentes ou seus vizinhos ricos, porque, certamente, eles também o convidarão e, assim, pagarão a gentileza que você fez”.

Quero lembrá-lo de que a oportunidade do Evangelho sobre o banquete dos pobres e aleijados permite abordar o tema da Igreja como assembleia universal e indiscriminada dos filhos de Deus.

O plano salvífico de Deus, manifestado em Jesus de Nazaré, apresenta-se, definitivamente, como a assembleia universal e indiscriminada dos filhos de Deus dispersos. Por isso, a Igreja, por meio de variadas modalidades associativas ou congregacionais visibilizadas pelo amor, os ministérios e os sacramentos – sobretudo a celebração eucarística – manifesta-se nas múltiplas assembleias locais.  Abre-se ao projeto divino da acolhida de todos os homens mediante a fé em Cristo.  Prossegue e prolonga a obra da congregação universal dos filhos de Deus, privilegiando os pobres e marginalizados na qualidade de primeiros convidados ao festim dos bens messiânicos, pois se os pobres têm vez, ninguém se sente excluído.

Entretanto, a Igreja jamais será um fim em si mesma, mas o meio pelo qual se processa a unificação dos homens entre si e com Deus em Cristo.  Daí, o tema da congregação universal apontar para o banquete definitivo do Reino do Senhor, onde serão acolhidos na morada do Pai (Jo 14,2-3), a Jerusalém do Alto (Ap 21,10; Hb 12,22-23).

O amor preferencial pelos pobres, o espaço aberto aos marginalizados, a promoção dos necessitados serão sempre sinais evidentes do Reino de Deus que a Igreja anuncia, vive e constrói. O próprio Reino manifesta sua força e vitalidade congregando os pobres na Igreja de Cristo para promovê-los a uma vida mais digna até a eternidade feliz.

Lucas apresenta o tema da humildade a partir da parábola da escolha dos lugares e o tema da importância dos pobres no Reino de Deus a partir da parábola da escolha dos convidados (Lc 14,1.7-14).

Nos diálogos à mesa, os autores gregos geralmente apresentavam os comensais em torno do dono da casa, sublinhando a posição social dos presentes. Lucas também começa retratando um dos notáveis entre os fariseus para logo, desconcertantemente, introduzir um hidrópico na cena, necessitado de cura. Deste modo, dá a entender que a refeição messiânica não é reservada a elites, mas se abre a todos, notadamente aos pobres e marginalizados.

Durante os diálogos à mesa, era costume que cada conviva pronunciasse um discurso para elogiar o tema a ser abordado e descrever-lhe as situações.  No caso de Lucas, é Jesus quem inicia a conversação, referindo-se à possibilidade de curar o hidrópico no sábado, enquanto os legistas e fariseus se calam e não conseguem replicá-lo.  Jesus, no entanto, insiste no diálogo, escolhendo como tema a humildade e descrevendo suas manifestações. Tendo como pano de fundo a literatura sapiencial (Pr 25,6-7), elogia a humildade a partir da parábola da escolha dos lugares em que o ocupante do último posto é convidado a se transferir para mais perto.

Quanto à parábola da escolha dos convidados, mais do que apontar para a humildade de quem convida os marginalizados, acentua, bem a gosto de Lucas, a importância dos pobres no Reino de Deus.  Na realidade, há a questão básica que se impõe aos que creem, sobre a acolhida devida aos carentes e necessitados, privilegiados de Jesus. Em tom sapiencial, que exalta as consequências dos atos humanos, é melhor para Jesus convidar os pobres, pois não tendo com que retribuir, a recompensa da gratuidade há de ser dada pelo próprio Deus na ressurreição dos justos. Do mesmo modo que é conveniente colocar-se no último lugar pela vivência da humildade também é mais dadivoso convidar os pobres e aleijados para o banquete do que os amigos, parentes e vizinhos ricos.

Consciente de que Jesus inaugura o banquete universal dos pobres (Is 55,1-5), Lucas insiste na gratuidade do gesto divino que acolhe a todos em Seu Reino, chamando à atenção para a mesma atitude daqueles que convidam os que não podem retribuir. Entretanto, se considerarmos a interpretação eucarística proposta por vários comentadores, teremos a superação, nas assembleias dominicais, de manifestações de vaidade e ostentação das reuniões pagãs por meio das regras da humildade ou das escolhas dos lugares e a exclusão de barreiras judaicas, impostas pela impureza legal aos marginalizados mediante as regras da gratuidade e da acolhida dos pobres.

Quem são os que participam da sua festa? Com quem você gasta o seu dinheiro? E como o tem gastado? Lembre-se do apelo do Mestre: “Quando deres um banquete convide os cegos, os aleijados, os pobres e serás abençoado, pois eles não poderão pagar o que tu fizeste, mas Deus te pagará no dia em que as pessoas que fazem o bem ressuscitarem”.

Padre Bantu Mendonça

Comentários