25 jan 2011

Ide pelo mundo e evangelizai

Estamos diante de um acréscimo tardio (cf. Mc 16,9-20) ao Evangelho de Marcos. Pode-se perceber que, na liturgia, foi associado à festa da conversão de São Paulo que celebramos hoje, por dois aspectos: pelo caráter essencialmente missionário do texto e pela alusão ao “pegar em serpentes” como sinal do sucesso na missão, conforme o acontecido com Paulo por ocasião do naufrágio em Malta, segundo a narrativa que se encontra em Atos dos Apóstolos (cf. At 28,3-6). O que se destaca no texto é a dimensão do poder como sendo a grande característica da missão.

O Evangelho de hoje nos conduz a uma vida nova em função da missão. Pouco antes de subir aos céus Jesus deixou para todos nós a missão de anunciar o Seu Evangelho. E foi este o recado que Ele nos mandou por meio dos Seus apóstolos: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!” Este som ainda ecoa dentro do coração daqueles que creem na Palavra de Deus. Jesus nos dá garantia para o sucesso da nossa missão quando diz: “quem crer e for batizado será salvo!” Não precisamos fazer muitas coisas nem realizar muitas obras, mas apenas crer e dar testemunho da ação do Espírito Santo na nossa vida! Foi para isso que nós fomos chamados, e esta é a nossa missão de batizados.

Quando nós fazemos esta experiência de anunciar o Evangelho nós constatamos realmente os sinais que nos acompanham por força da nossa fé em Jesus Cristo. Expulsar demônios, falar novas línguas, pegar em serpentes, beber veneno, curar doentes, significa para nós a força milagrosa que o Amor de Deus realiza em função do nosso anúncio. Esses sinais acontecem na nossa vida e na vida daqueles a quem nós anunciamos Jesus, quando desafiamos as dificuldades, a doença, a morte, a tristeza com a esperança, com a alegria, com o poder de Cristo ressuscitado. Quanta mudança, quanta transformação, quanta conversão nós verificamos quando falamos a nova linguagem do Amor de Deus! Os demônios que perseguem a humanidade se rendem quando nós tudo fazemos por amor a Jesus! O pecado, veneno mortal, não consegue mais ter força sobre aqueles que nos escutam falar em Nome de Cristo Jesus! É esta a nossa missão: o “mundo inteiro” é o lugar onde estivermos e “toda criatura” são todos aqueles a quem nós podemos testemunhar os prodígios de Jesus Nazareno. Os sinais nos acompanharão se formos obedientes ao Seu mandado.

Enviados pelo poder que Jesus recebeu do Pai, os apóstolos deveriam partir, dispostos a caminhar por todas as estradas do mundo e a anunciar a Boa Nova da salvação a quantos encontrassem. Ninguém pode ser deixado de lado, pois a salvação é um direito de todos.

O sinal de adesão a Jesus dar-se-ia no batismo feito “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. Seria a forma de vincular toda a humanidade com o Pai, por meio de Jesus, na força do Espírito Santo. Dessa comunhão de amor deveria surgir uma humanidade nova, fundada na filiação divina e na fraternidade.

Os apóstolos tinham como tarefa levar os novos discípulos a pautar suas vidas pelos ensinamentos do Mestre. Nada de novas doutrinas! Bastaria ensinar os batizados a observar tudo quanto Jesus lhes havia ensinado: nada mais do que amar a Deus e ao próximo, como fora explicitado no Sermão da Montanha.

Uma certeza deve nos animar: o Ressuscitado está para sempre junto de nós, incentivando-nos a ser fiéis à missão. Portanto, nada de nos deixar abater pela grandiosidade e pelas exigências da tarefa recebida.

Você já percebeu esses sinais na sua vida? Já usa em seus relacionamentos a linguagem do amor? Qual é o maior veneno para a humanidade hoje? Qual será o seu antídoto? O seu testemunho tem convertido alguém? Você tem propagado os milagres que acontecem em sua vida? O que você está esperado acontecer para assumir a missão que o Senhor destinou a você? O que tem deixado para depois? Depois de quê? Quando? Onde? Lance-se para a missão para a qual Jesus o envia.

Senhor Jesus, contemplando Tua ascensão para junto do Pai, assumo a tarefa de levar, ao mundo inteiro e a toda criatura, a mensagem do Teu Evangelho.

Padre Bantu Mendonça

Fonte: Retirado do Blog do padre Bantu

Comentários