27 fev 2016

É tempo de voltar para o coração do Pai

Não perca mais tempo! Volte hoje para o coração do Pai, que o espera de braços abertos

“Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos” (Lc 15, 20).

A linda parábola do filho pródigo é a que melhor retrata o coração misericordioso do nosso Deus, pois nos mostra quão grande é o coração do Pai, capaz de se compadecer das mais terríveis misérias que nós humanos podemos passar nesta vida.

A primeira coisa, o filho mais novo é aquele que se sente insatisfeito com o que tem, com a vida que tem e quer ir buscar caminhos mais longe, quer uma vida diferente. Quantos de nós somos de Deus, caminhamos com Deus, temos a graça de Deus, mas experimentamos as insatisfações, sentimos as tentações, para viver uma vida mais livre.

Não é que queremos ser, todas as vezes, um pecador ou viver as devassidões da vida, mas é a menor ou a maior das tentações que nos levam a querer correr dos braços de Deus para os braços do mundo. Nós não podemos negar, o mundo é sedutor, é atrativo, e ele exerce sobre nós um fascínio, um domínio, e nós estamos, muitas vezes, correndo do estado da graça, do estado da santidade para experimentar os prazeres e os pecados que este mundo oferece.

Talvez, você diga: “Não, eu não sou um devasso, eu não sou um grande pecador. É que, de vez em quando, eu vou fazer isso ou aquilo.” E você veja, por menor que seja o nosso afastamento de Deus, o nosso coração padece. E à medida que ficamos indecisos, no meio do caminho, a gente vai aos poucos se afastando e quando percebemos nós estamos longe, nós tomamos distância, perdemos o gosto pelas coisas de Deus.

E mais ainda, vamos sucumbindo pelo gosto e pela atração das coisas do mundo. A verdade é que alguns filhos, ainda a tempo, conseguem reconhecer que se afastaram e voltam para os braços do Pai que qualquer hora do dia, da noite, estará de braços abertos para nos acolher.

O ruim são os filhos que se perdem tanto no mundo, que o tempo passa, a vida vai, e ele não volta ao coração do Pai que o espera dia e noite. Peçamos, hoje, pelo nosso coração pródigo, que se esbanja e quer se esbanjar no mundo, para que, primeiro, não nos afastemos do coração misericordioso do Pai, mas por todas as vezes que sentirmos vontade de afastar ou nos afastemos mesmo, que tenhamos pressa em voltar, que tenhamos a decisão firme de voltar. O pai, bondoso, misericordioso, está de braços abertos a nos esperar. Meu filho, minha filha, não perca mais tempo, volte hoje para o coração do Pai que nos espera de braços abertos.

Deus abençoe você!

Veja a reflexão do dia de hoje:

repensando-a-vida

Adquira em nossa Loja Virtual o livro do Padre Roger


Comentários