26 Feb 2018

Deus quer que sejamos misericordiosos uns com os outros

“Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados” (Lc 6, 36-38).

A graça desse evangelho é Deus inverter a ordem das coisas, porque o mundo está em desordem, e a desordem do mundo é justamente porque quebrou-se a ordem natural da graça. Deus nos criou para o amor, para o perdão e para a misericórdia e nós aprendemos ao contrário no mundo em que vivemos: olho por olho, dente por dente, a vingança, o ressentimento, a mágoa; aprendemos a não perdoar quem nos fez o mal. São essas coisas que estão por aí, soltas neste mundo no qual vivemos, mas, o bom médico Jesus, quer o nosso coração curado e, a primeira via para a cura da alma, é a via da misericórdia.

Misericórdia é o nome de Deus, o nosso Pai é todo e plenamente misericórdia. Nós mergulhamos na Sua misericórdia e nela somos curados e, só sabemos se uma pessoa é curada ou experimentou a misericórdia de Deus, quando ela sabe exerce-lá com o próximo.

Talvez para alguns é fácil ir diante do padre suplicar o perdão, confessar os pecados, e Deus os perdoa. Então, agora, façamos o mesmo com os irmãos, porque misericórdia é compadecer-se das fraquezas humanas e essas não são poucas, mas Deus compadece-se delas e nós precisamos aprender a nos compadecermos das fraquezas uns dos outros.

Nós estamos nos tornando juízes, julgando, condenando e querendo o mal e não acolhemos a fraqueza do outro. Isso não é divino, é diabólico. O que é divino é a misericórdia, é não julgar, porque o que é divino é não condenar.

O que é mais e sublinearmente divino é perdoar e não viver na mágoa e no rancor, porque o que nós queremos é ser filho de Deus e, sendo assim, aprendamos com o nosso Pai a ter um coração como é o d’Ele.

Pode até ser que tentemos e não consigamos, mas mergulhe em Deus. Entregue-se para ser transfigurado e transformado pela presença do Senhor, porque a cada dia, Ele vai nos ensinar a não viver no rancor, no ressentimento, a não pagar na mesma moeda, não falar mal, não julgar e não condenar, e sim, abraçar e acolher ao outro da forma que ele é.

Tenho comigo uma verdade: se queremos que alguém mude, eu preciso mudar primeiro as coisas dentro de mim e acolher a pessoa do jeito que ela é. Quando acolhemos a pessoa do jeitinho que ela é, e, é assim também, que queremos ser acolhidos, desse modo damos espaço para a graça de Deus chegar e mudar o que precisa ser mudado, mas, a grande mudança acontece em nós quando começamos a acolher quem não gostamos, quando acolhemos aqueles com os quais não concordamos ou nos machucaram.

Deus faz nova todas as coisas pela força da misericórdia e do perdão!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Ajude a Canção Nova!

0%

Confira a ediçao especial da revista
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.