29 set 2011

Deus conhece todas as ações humanas

São João nos apresenta um Jesus conhecedor de tudo e de todos, e que não precisa que alguém lhe conte ou mostre quem são as pessoas com as quais Ele se relaciona.

Deus conhece todas as ações humanas. Ele é o Justo Juiz. E seu Reino não terá fim. O mal um dia será vencido e não mais estará presente entre os homens. Mas isto somente vai acontecer no momento em que “vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

Todavia, somos convidados já a nos alegrarmos : por isso, “alegra-te ó céu, e todos os que viveis nele”. O convite é extensivo aos coros celestes, serafins, arcanjos e anjos. É Cristo quem nos chama para estar junto d’Ele e participar de sua obra redentora.

Filipe não guardou para si a grande alegria de ter encontrado o Messias anunciado pelos profetas, mas comunicou esta mesma alegria a seu amigo Natanael, que se mostrou incrédulo diante da procedência humilde de Jesus – filho de um carpinteiro de Nazaré – quando o Messias devia ser descendente de Davi e procedente de Belém.

Filipe não se desmoraliza com as razoáveis objeções do amigo e também não confia nas explicações que o seu próprio engenho poderia excogitar. Opta por convidar o amigo a aproximar-se pessoalmente de Jesus: “vem e verás” (v. 46).

Passemos agora para o nome Natanael. Biblicamente, ele é de origem semítica e significa dom de Deus. Foi um dos doze apóstolos (cf. Jo 21,2). É bem provável que tenha sido Bartolomeu, o qual teria dois nomes, sendo este último um nome patronímico (filho de Tolmay), como o patronímico de Simão Pedro, Baryona (filho de Jonas). Esta identificação é deduzida dos diversos catálogos dos apóstolos que nos deixaram os evangelistas sinóticos, onde Bartolomeu sempre se segue a Filipe, aquele apóstolo que levou Natanael a Jesus.

“Eu te vi, debaixo da figueira”. Natanael sentiu que o olhar de Jesus penetrava nos mais profundos recônditos da sua alma, pois algo de significativo devia ter passado no seu coração naquela hora e naquele local exato a que Jesus se referia, e que só Deus podia conhecer.

Natanael é um israelita fiel à tradição da Lei, e parece não ter ideia da ruptura de João Batista com as instituições do Judaísmo. A fala de Jesus a Natanael: “Quando estavas debaixo da figueira, eu te vi”, remete ao profeta Zacarias: “Naqueles dias convidar-vos-ei, uns aos outros, debaixo da figueira”. (Zc 3,10).

Corresponda ou não, verdade é que Natanael vê-se descoberto e então, respondendo, professa a sua fé em Jesus: “Mestre, Tu és o Filho de Deus, o Rei de Israel”. Tanto uma palavra quanto outra fazem parte dos títulos messiânicos procedentes do Salmo 2. A intenção do Evangelho revela-se ao apresentar, desde a primeira hora, confissões explícitas de fé em Jesus.

E com a expressão: “Então vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”, esconde – e ao mesmo tempo revela de uma forma muito clara e expressiva – que Jesus é o mediador entre o céu e a terra, ficando assim os céus abertos para a humanidade. Ele é a porta pela qual os homens têm acesso ao Pai. É a escada de Jacó, pela qual subiam e desciam os anjos em sua visão (Gn 28,12).

Portanto, assim como Natanael reconhece em Jesus “o Caminho, a Verdade e a Vida”, proclamemos bem alto: “Senhor, tu és o Filho do Homem, o Rei de Israel!” para que no final possamos ver o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre Ele. E com Cristo reinemos eternamente. Amém!

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários