17 ago 2010

Deixemos o que está dentro de nós

O Evangelho de hoje é continuidade do capítulo 19 de Mateus, capítulo este que estamos meditando desde ontem no relato do jovem rico. Jesus é taxativo em dizer que é impossível um rico entrar no Reino de Deus.

Entendamos o que quer dizer riqueza, evangelicamente falando. Tanto a pobreza como a riqueza não se encontram fora de nós. Evangelicamente falando, a pobreza e a riqueza estão dentro e não fora; pobre não é aquele que carece de bens, mas aquele que possui como sua única riqueza o Senhor. Rico não é aquele que possui abundância de bens, mas aquele que possui, como seu senhor, tudo, menos Deus.

Quem não possui o Senhor como o único Senhor da sua vida, jamais poderá possuir o Reino, pois o Reino de Deus nada mais é que adesão a Jesus Cristo, solidariedade e fraternidade para com os irmãos. Por isso da fala de Nosso Senhor Jesus Cristo, ou seja, como quererei o Reino se não quero o Senhor deste Reino, no caso, Ele próprio [Jesus Cristo]? Totalmente contraditório!

Diante da colocação de Jesus, Pedro, em nome dos Doze, faz uma pergunta muito impertinente para  o Senhor; na verdade, a dúvida do apóstolo é a dúvida de toda a Igreja – de cada um de nós: “Mestre, eis que deixamos tudo para te seguir. O que nós vamos ganhar com isso?” Cristo responde: “Quem deixar propriedades, casa, mãe, pai, irmãos… para me seguir, ganhará cem vezes mais nesta vida e na vida futura, a vida eterna.”

É impressionante uma coisa: esta fala de Pedro é a nossa fala! Por quê? Nós, cada um, achamos que deixamos muito para seguir ao Ressuscitado. Isso não é mentira, pelo contrário! Agora, a pergunta é: se Pedro deixou tudo – como cada um de nós – por que ele traiu o  seu Senhor? Por que nós também traímos Jesus se deixamos tudo? Ora, só deixa algo quem se encontra convicto do que deixou; e se deixou por uma causa nobre, nada o faz titubear.

Para dizer: será que Pedro deixou tudo mesmo? Será que nós também o deixamos? Não, nós não deixamos tudo, como Pedro também não o deixou. O apóstolo verdadeiramente deixou tudo quando entregou a vida por Cristo ao ser crucificado de cabeça para baixo.

Pedro deixou tudo – quando estava com Jesus – aquilo que estava fora. Mas o que tinha dentro de si não deixou para seguir o Mestre. Ele fez isso depois. Se realmente tivesse deixado tudo anteriormente não teria traído Cristo. Deixar o que está fora de nós é fácil, em partes; difícil é deixar o que está dentro de nós: nosso afetos, nossos sentimentos, nossos projetos, nossas ideias. Isso é difícil!

Com certeza, já deixamos muitas coisas importantíssimas em nossa vida; porém, o que precisamos deixar – realidades estas que estão dentro do nosso coração, para que possamos seguir Jesus? Repito: deixar o que está fora é fácil. Difícil é deixar o que está dentro, pois só está dentro de nós aquilo que acolhemos e só acolhemos o que amamos. Todavia, nosso único e principal amor precisa ser Jesus Cristo!

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

Comentários