20 set 2012

Cuidado para não criticar e censurar um coração arrependido

Um fariseu convidou Jesus para jantar. Ele foi até a casa do homem e sentou-se para comer. Naquela cidade, morava uma mulher de má fama. Ela soube que Jesus estava jantando na casa do fariseu. Então, pegou um frasco feito de alabastro, cheio de perfume, e ficou aos pés de Jesus. Ela chorava e as suas lágrimas molhavam os pés dele. Então, ela os enxugou.

A segurança parecia retornar ao coração de Simão, o fariseu, ao assistir a tão escandalosa cena. Com os seus próprios cabelos, aquela mulher beijava os pés de Jesus e derramava o perfume neles. Quando o fariseu viu isso, pensou assim: “Se este homem fosse, de fato, um profeta, saberia quem é esta mulher que está tocando nele e a vida de pecado que ela leva.

Seu juízo é apressado e infundado. Assim como não teve fé e amor para enlevar-se com o Mestre, faltou-lhe também o discernimento para, na ex-pecadora, ver e interpretar os sinais de um arrependimento perfeito, pois são notórios os efeitos do vício ou da virtude estampados na face (cf. Eclo 13, 31).

O orgulho de ser um rigoroso e sábio legista o levou a uma conclusão aparentemente lógica, mas em realidade temerária contra o Médico e contra a enferma. Além do mais, manifestou sua falsidade, pois, se concebeu, no seu interior, a convicção de estar diante de um homem comum e aguardou sua saída para, provavelmente, comentar com satisfação o aparente horror daquele escândalo, por que chamá-Lo de Mestre? A esse respeito, comenta com muita propriedade São Gregório Magno: “O Médico se encontrava entre dois enfermos: um tinha a febre dos sentidos, e o outro havia perdido o sentido da razão. Aquela mulher chorava o que havia feito, mas o fariseu, orgulhoso pela sua falsa justiça, exagerava a força de sua saúde.

Além não ter consciência ou virtude para perceber na pecadora a enorme graça de que havia sido objeto, faltou ao fariseu humildade, fé e amor para ver em Jesus o Filho de Deus. Entretanto, a prova de quanto o Senhor é profeta foi dada a Simão logo a seguir, no estilo tão apreciado naqueles tempos: por meio da parábola dos dois devedores.

É notório o caráter universal das palavras do Salvador contidas nesse trecho, mas não podemos negligenciar a realidade concreta a desdobrar-se diante de seus olhos de Juiz Supremo.

Ali estavam dois réus. Ambos haviam ofendido a Deus em graus diferentes e necessitavam, portanto, do perdão. A pecadora estava tomada por um arrependimento perfeito e foram-lhe perdoados os seus muitos pecados, porque muito amou. Quanto ao fariseu, o Senhor lhe externa sua disposição em perdoá-lo, mas seriam necessários – da parte dele – fé e maior amor. Indispensável era ao fariseu reconhecer seu débito para com Deus e pedir-Lhe perdão, mas ele assim não procedeu por ser orgulhoso.

É fácil compreender a sentença final do Divino Juiz: a pecadora é oficial e publicamente perdoada; quanto ao fariseu, na melhor das hipóteses — se chegasse a se arrepender e vencer seu orgulho — caberia, talvez, o decreto de Nosso Senhor: “os publicanos e as meretrizes vos precedem no Reino de Deus.

Esta sentença pode ser minha e sua quando criticamos e censuramos os outros. Sobretudo, aqueles que a sociedade marginaliza e considera como “pecadores públicos”. E Jesus, voltando-se para o excluído diz: “A tua fé te salvou. Vai em paz”.

Padre Bantu Mendonça


Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários