30 Mar 2018

Cristo morreu na Cruz para salvar a nossa vida

Queremos nos voltar para Cristo e referenciar as Suas Chagas, adorar a Sua Paixão e encontrar n’Ele as dores de toda a humanidade

“A verdade é que ele tomava sobre si nossas enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores; e nós pensávamos fosse um chagado, golpeado por Deus e humilhado!” (Is 52,4).

Na Sexta-feira da Paixão de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, contemplamos o servo sofredor, porque Ele está sofrendo na carne todas as humilhações que a pessoa humana sofre. Cristo está carregando sobre si as nossas dores e enfermidades. Queremos nos voltar para Cristo e referenciar as Suas Chagas, adorar a Sua Paixão e encontrar n’Ele as dores, as chagas e a paixão de toda a humanidade.

O Cristo sofre por nós e junto de nós. Ele sofre pelos sofredores e com os sofredores. Nenhum sofrimento humano é desprezível ou perdido quando é sofrido em Deus.

A Paixão de Cristo é a paixão do mundo, não são as paixões humanas e mundanas, pelo contrário, é a paixão de um Deus apaixonado que leva em si todo o Seu amor pela humanidade sofrida, que paga um preço alto pelos nossos pecados, e Ele mesmo faz questão de carregar sobre Si as dores de todos.

Na lei judaica, lei antiga para a reparação e a expiação dos pecados, imolava-se o cordeiro e ele era oferecido em sacrifício aos pecados. Hoje, o único cordeiro que é imolado e sacrificado por causa dos nossos pecados é o Cordeiro Jesus, porque Ele é o único Cordeiro que pode tirar os pecados do mundo, pode tirar o pecado da nossa vida e, por isso, nos voltamos para Ele, para louvá-Lo, para rendermos todo o amor do nosso coração, toda adoração que Ele merece.

Quando formos na Igreja, hoje, para adorarmos a Cruz, não é adorarmos a Cruz por si só, pelo contrário, é adorarmos o Crucificado que morreu na Cruz para nos salvar; é adorarmos a salvação, a redenção que, na Cruz, Ele faz por nós.

Nenhum sacrifício humano nos redime, somente o sacrifício de Cristo tem esse poder. Se a nossa vida exige de nós sacrifícios, então, que o nosso sacrifício humano não seja inútil, porque o sacrifício que salva é o nosso sacrifício unido à Paixão e ao sofrimento de Cristo.

Cristo está com os doentes, com os enfermos, com os sofredores, com todos aqueles que sofrem as desigualdades, as mazelas da humanidade, dizendo: “Eu estou neles e sou um deles”. Cristo é um de nós nos nossos sofrimentos e nas nossas dores. Adoremos o Cristo crucificado que morreu para nos salvar.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Ajude a Canção Nova!

0%

Confira a ediçao especial da revista
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.