08 set 2015

Como Maria, nos abramos para a graça de Deus

Maria é companheira, é modelo e escola de serviço e entrega a Deus, ao Seu Reino. Ela é modelo de solicitude para com o próximo e suas necessidades.

José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo” (Mateus 1, 20).

A alegria que a Igreja nos dá, hoje, é de celebrarmos a Natividade de Nossa Senhora, o dia em que Maria veio ao mundo. Maria, como a aurora resplandecente, veio para resplandecer o amor divino no seu filho que seria gerado. É para nós um sinal do amor de Deus, da escolha amorosa que o Senhor fez por cada um de nós!

Quando exaltamos Maria pensamos que só exaltamos a figura, a pessoa dela, mas o que exaltamos, na verdade, é aquilo que Deus fez e realizou na pessoa dela, a correspondência que ela mesmo teve com a graça de Deus.

Por isso, hoje, celebrar o aniversário, o nascimento da Bem-aventurada Virgem Maria é celebrar a vida daquela que correspondeu à graça de Deus, que nela habitou.

O dia do nosso nascimento é muito importante porque, marca e inaugura a nossa vida neste mundo. O mais importante é celebrar a vida como um todo, não importa em que pé está a nossa vida, mas hoje somos convidados a olhar para a Virgem Maria como luz resplandecente onde a graça de Deus se faz presente. E dizer: ‘Maria, assim como tu, eu também quero fazer resplandecer na minha vida a graça divina!’. Não importa o tamanho da graça que recebemos de Deus; Maria recebeu muito e também correspondeu muito.

Pode ser que fomos chamados não com a mesma intensidade do compromisso e responsabilidade de Maria, mas o pouco compromisso é muito para nós, o importante é corresponder àquilo que Deus nos chamou!

Maria é companheira, é modelo e escola de serviço e entrega a Deus, ao Seu Reino. Ela é modelo de solicitude para com o próximo e suas necessidades. Hoje, queremos olhar para ela e pedir: ‘Mãe de Deus nos ajude, com sua vida, com seu exemplo, a crescermos na escola de Jesus!’.

A primeira coisa: ouvir seu filho. É a mãe quem escuta o filho, seu filho Jesus. É a mãe quem se abre para a graça de Deus. E à medida em que se abre, a graça se torna mais transbordante, excedente de bênçãos e excelência divina. Porque, ela [Maria] se abriu e a graça transbordou em sua vida.

Vamos nos abrir para a graça de Deus, não vamos nos fechar, não vamos diminuir essa graça que Deus quer derramar em nossas vidas. Permitamos que a graça e o amor de Deus sejam transbordantes em nossa vida!

Que Maria, Mãe e Senhora Nossa, nos ensine a viver a dinâmica do Reino de Deus!

Deus abençoe você!

Comentários