11 jan 2017

Com o auxílio de Jesus, resistimos à tentação

A tentação quer nos conduzir para a morte, tirar-nos da graça e do poder da vida que Deus nos deu

“Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação” (Hebreus 2,18).

Cristo Jesus socorre a cada um de nós em todas as nossas tentações e tribulações. Ele foi tentado pelo demônio, resistiu e venceu as tentações para ser para nós modelo e exemplo. Acima de tudo, Ele é o vitorioso sobre o mal, porque foi Ele quem destruiu, com Sua vida, o poder da morte e do diabo.

A tentação tem uma função, tem um fim último: conduzir-nos para a morte, tirar-nos da graça e do poder da vida que Ele nos deu, para nos levar ao poder da morte. São mortes cotidianas, são mortes de amizades, de relacionamentos; mortes da vida na graça, da vida no Espírito, são mortes dos bons propósitos, das nossas boas intenções. Aos poucos, vai morrendo o que há de melhor em nós quando nos sucumbimos e nos entregamos, quando, de fato, deixamos que a tentação nos leve.

Acontece ainda algo extremo de tudo isso, quando a tentação já não tem mais força sobre nós, porque nos entregamos totalmente a ela. Não há nem mais força para combater, já não há mais alento para dizer “não” ao que é errado. Começamos a viver aquela vida errada, de modo que a vida na graça morre em nós, e já não somos mais capazes de distinguir e separar o certo do errado, o bom do ruim, porque deixamos morrer em nós a vida na graça de Deus.

Irmãos, temos Jesus que é por nós, para nos ajudar a resistir à tentação. E se cada um de nós olhar para dentro de si mesmo, perceberemos que são diversas tentações que temos na vida.

A primeira coisa é não se deixar provocar, não se deixar levar por este ou por aquele ponto, que é a sua fraqueza, a sua dificuldade, por onde somos roubados,  levados. Se tenho um propósito, a graça de Deus me leva a ser uma pessoa mais serena. Eu sei que haverá fortes tentações para que eu me desespere, perca a paciência e me torne agressivo.

Eu preciso evitar as ocasiões de pecado, eu preciso da graça de Cristo, para me ajudar a ser vencedor sobre aquilo que me leva a cair, que me rouba da graça de Deus, rouba-me a serenidade.

O que nós precisamos é acreditar, recorrer à força da oração! Para nós, o Pai Nosso, a oração por excelência realmente coloca-nos neste combate: “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. O primeiro mal é, justamente, não se levar pela tentação, não ser introduzido nela, mas ter a força interior, o discernimento interior de dizer “não” à tentação quando ela vem ser provocação para a nossa alma e coração.

Que a força de Deus mantenha-nos de pé!

Deus abençoe você!

Comentários