15 mar 2011

A oração mais perfeita e completa que temos é o Pai-Nosso

A oração mais perfeita e completa que temos é o PAI-NOSSO.  Muitos dos nossos irmãos evangélicos criticam nosso rezar, porque dizem que se trata de palavras repetidas, não são espontâneas, mas eu digo a você, meu irmão, minha irmã, se você souber entender a oração que Cristo nos deixou, se refletir em cada palavra, e se principalmente viver estas “palavras repetidas”, não precisará de mais nenhuma oração. Porque aqui nós encontramos tudo o que precisamos para ser santos.

Pai nosso que estás no Céu, santificado seja o vosso nome. Você já reparou que Jesus não disse “meu Pai”? Deus é Pai de todos nós, e temos de ter uma consciência comunitária nas nossas orações. Que está no céu, em toda parte, inclusive aqui, agora. Santificado seja o vosso nome significa que não só o nome, mas a realidade divina em Três Pessoas seja adorada, glorificada, conhecida e acreditada no mundo inteiro. Para que isso aconteça, precisamos fazer a nossa parte de anunciadores da mensagem de Jesus Cristo.

Não temos mais reis hoje em dia. Importante é explicar aos nossos filhos e aos meninos e meninas do catecismo, o que isso significa: “Venha a nós o governo de Deus.” Ou seja, que todos permitam que Deus governe as suas vidas. Todos, porque não devemos rezar como se só existisse a nossa pessoa no universo. O Pai Nosso está no plural, como toda oração pronunciada por nós deve ser não somente para nós, mas para todos.

Que seja feita a vontade do Pai, ou de Deus, e não a nossa vontade, não a vontade de satanás, não a vontade do assaltante, não a vontade egoísta daqueles que pretendem prejudicar-nos, não a vontade daqueles que querem nos afastar do caminho, da verdade e da vida.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje. E amanhã? Eu não vou comer? Amanhã nós vamos rezar, agradecer e pedir de novo. Esse é o procedimento, porque Deus nos aconselha a não nos preocuparmos com o dia de amanhã. Por isso vamos pedir o pão somente para hoje. Pão, aqui, não significa somente o pão da padaria, mas sim a comida, a saúde para trabalhar, o estudo que nos prepara para ganhar dinheiro para comprar pão, o emprego que anda tão difícil hoje em dia, entre outros.

Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aos que nos ofenderam. Já sei. Você brigou com o seu vizinho que estava sendo injusto com você e sua família perturbando o seu sossego com barulhos fora de hora, e está se achando tão culpado que não pode nem comungar na próxima Santa Missa. Quando somos lesados, injustiçados, precisamos recorrer aos nossos direitos. Porque se todo cristão ficar bonzinho sem reclamar de nenhum abuso dos outros, todos vão se aproveitar de nós, fazendo-nos de bobos. No entanto, depois da tempestade vem sempre a calmaria, a paz. Fiquemos atentos porque Jesus sempre nos conduz a fazermos as pazes.

Você pode comungar se tiver o propósito de fazer de tudo futuramente para se reconciliar com o seu vizinho. Hoje está difícil, depois de tanta injustiça por parte dele e de tanta troca de verdades de um lado e do outro. Para ficar de bem, pedir desculpas nem sempre se encaixa bem. Fará o mesmo efeito, uma brincadeira, umas piadinhas, de cá e, também, de lá. Deixe passar a raiva e, então, comece a se abrir para a reconciliação com seu irmão.

E não nos deixeis cair em tentação, porque são muitas as tentações, aos milhares que nos cercam no nosso dia a dia, tentando tirar-nos a paz e a amizade com Deus.

Mas livrai-nos do mal. São tantos os males desta vida: Assaltos, roubos, acidentes, tentações, entre outros.

Aqui temos a liberdade de chamar nosso Criador de PAI, e não somente “meu Pai”, mas, NOSSO, o que nos leva à unidade com todos os irmãos espalhados pelo mundo que também oram o PAI-NOSSO. Damos ao nome de Deus, o devido respeito (Santificado seja Teu nome) e pedimos que Seu Reino esteja entre nós. Entregamos nossa vida, quando pedimos que seja feita a vontade d’Ele. No meio da oração, no centro, mais uma vez, tratamos Deus como Pai, afinal quem é o responsável pelo nosso sustento, nosso pão de cada dia, senão o Pai? Mostramo-nos arrependidos quando pedimos perdão pelos nossos pecados. E assumimos nossas fraquezas, quando solicitamos a proteção, o livramento daqueles males que não podemos controlar.

Entretanto, me pergunto: será que vivemos em unidade com nossos irmãos? Será que verdadeiramente tratamos o nome de Deus com o devido respeito? E aceitar a vontade d’Ele em nossa vida é fácil? Perdoamos nossos irmãos à medida que desejamos ser perdoados? E será que muitas vezes não facilitamos o mal de entrar em nossas vidas?

Pai, livra-me de reduzir às palavras vazias a oração que Jesus nos ensinou. Que eu saiba encontrar o sentido do Pai-nosso, centrando minha vida na filiação divina e na fraternidade. Amém!

Padre Bantu Mendonça

Fonte: Blog do Padre Bantu


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários