16 mar 2008

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS 26,14-27,66

Aqui começa a semana maior da nossa fé cristã. Nesta Semana Santa não só lembraremos um fato histórico do passado, mas celebraremos a presença viva de Cristo Jesus que padeceu, morreu e ressuscitou; e leva em frente toda a nossa comunidade cristã, pela presença do seu Divino Espírito Santo, até os dias de hoje.

        Jesus entra triunfalmente em Jerusalém e o povo todo o acolhe: “Bendito aquele que vem como Rei em nome do Senhor! Paz no céu e glória no mais alto dos céus!” E o Evangelho também fala solenemente da Paixão do Senhor.

        A narração no Evangelho segundo São Mateus se estrutura através da sucessão de pequenos núcleos, carregados de significação e de importância para a vida cristã. Há uma introdução, composta pela “Unção em Betânia e a traição na Última Ceia” (Mt 26,1-19). Há também o núcleo central da “Paixão”, composto pela “Agonia no Getsemani” (Mt 26,30-56), pelo “Processo religioso e civil” (Mt 26,57-27,31) e pela “Crucificação e morte” (Mt 27,32-66).

        Jesus é apresentado, desse modo, com toda sua humanidade, compartilhando a angústia e a dor dos homens frente à injustiça e à traição, sem, por isso, perder a serenidade de quem confia e espera em Deus – Ele é o “Servo Sofredor” que carrega o peso de toda humanidade, como havia anunciado o Profeta Isaías. Mateus apresenta Jesus, como o perfeito orante.

        A ceia que precedeu essa dramática experiência indica que, apesar de tudo o que possa acontecer, Jesus permanecerá sempre presente entre os seus (Mt 26,29).

        Por outro lado, o processo permite que Jesus enfrente ambas as autoridades: a civil e a religiosa, e proclame a sua máxima autoridade messiânica “Verão o Filho do Homem, sentado à direita de Deus poderoso, vir sobre as nuvens do céu” (Mt 26,64).

        A Paixão de Jesus se toma assim, um desafio, um alerta para a vida de seus seguidores. Trata-se de um convite a optar pelos crucificados, pelos excluídos, pelos marginalizados da história, sempre lembrando que a justiça de Deus se inicia ali onde os homens sofrem a injustiça dos opressores.

        O exemplo de Jesus é um terno apelo para que confiemos em Deus, apesar de tudo e contra tudo. Jesus nos ensina, com seus gestos de perdão e de reconciliação, que as adversidades não devem nos afastar de uma oração ardente, constante e confiante.

        A cruz de Jesus é um convite para superarmos nossas opções egoístas e oferecer, doar ao irmão o melhor de nós mesmos, e, se for necessário, também nossa vida.

        A sabedoria do homem é afirmação em si mesmo, servindo-se do outro, e o seu poder é possuir, dominar e exaltar-se. A sabedoria de Deus expressa em Jesus crucificado, é afirmação do outro mediante o extremo dom de si mesmo; seu poder é despojar-se de tudo, inclusive do próprio eu, abaixando-se até à morte de cruz.

Por isso a cruz de Jesus nos salva nos dá equilíbrio, nos faz viver bem em comunidade respeitando as diferenças de cada um. Jesus está em nossas cruzes, a Páscoa só será bem vivida se tivermos certeza que a cruz é sinal de libertação.

Boa caminhada para Cristo nossa Páscoa definitiva

Comentários

Outubro

49%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários