08 nov 2016

Usemos a gratuidade da maneira correta

Temos que usar a gratuidade da maneira correta, sermos agradecidos, reconhecidos, sabermos dizer “muito obrigado”

Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’” (Lucas 17, 10).

 

A Palavra de Deus, hoje, está nos formando no sentido da gratuidade de nossas ações, porque, infelizmente, somos formados na mania da grandeza, do reconhecimento, de sermos valorizados e exaltados. Se os outros não nos fazem, somos nós quem nos fazemos, que nos colocamos como importantes e nos sentimos como tal; levantamos placas e troféus para as nossas ações.

Perdemos o sentido da gratuidade, perdemos o sentido de que fazer o bem não é prêmio para quem o faz, pois ainda faltam tantas pessoas fazerem o bem!

Fazer o bem é mais do que nossa obrigação, fazer o que é correto não deveria ser exceção, deveria ser obrigação de todos!

Pena, doloroso e triste é quem não faz o que é correto e justo. Não pense que você é melhor que os outros, que é mais querido, porque frequenta a igreja, porque cumpre suas obrigações religiosas, faz caridade, dá esmolas e paga o dízimo. Fazemos o que deve ser feito.

Sabe, meus irmãos, não é que Jesus não reconheça o que somos. Pelo contrário, Ele reconhece muito o que somos. O que Ele não cultiva nem quer que cultivemos são as falsas ilusões. Ele não quer que cultivemos, dentro de nós, o ego exacerbado, que nos sintamos melhores do que os outros naquilo que realizamos, porque estamos fazendo a nossa obrigação.

Imagine você que um bombeiro salve uma criança numa situação de perigo ou salva um gatinho que está em cima de algum lugar. É uma operação difícil, mas o bombeiro não tem que ser recompensado ou promovido, pois ele fez o que deveria fazer. A função de um bombeiro é justamente essa.

Você não deve dizer à sua empregada: “Olha, você vai ganhar um prêmio”, porque ela limpou sua casa. Ela fez o que deveria fazer, ela é a empregada e deve limpar.

É claro que temos de ser agradecidos, reconhecidos, sabermos dizer “muito obrigado”. Isso não pode tirar a gratuidade e o reconhecimento que temos para com os outros naquilo que fazem.

O que não pode acontecer é darmos méritos excessivos para as coisas e nos esquecermos da nossa obrigação cotidiana. O bombeiro deve estar pronto, a cada dia, para salvar vidas e socorrer quem precisa, e nós devemos ser, a cada dia, um bom cristão, um cidadão honesto, sabendo viver o que precisamos viver.

Existem cristãos, bombeiros e situações excepcionais na vida, mas aqueles que vivem situações excepcionais devem nos chamar à atenção para vivermos nossas obrigações a cada dia de nossa vida.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: mailto:padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários