22 jun 2016

Que nosso interior produza frutos de qualidade

Cuidemos de nosso interior, para que nossos frutos sejam de qualidade e não vendamos algo enganoso aos outros

Uma árvore boa não pode dar frutos maus, nem uma árvore má pode produzir frutos bons” (Mateus 7,18).

A pergunta que precisamos nos fazer a cada dia é: “Que árvore sou eu? Que frutos essa árvore têm dado no jardim de Deus onde estou?”.

Não devemos olhar primeiro para a árvore do vizinho, para os frutos que vêm dele, porque podem ser até ruins e estragados, mas os nossos frutos podem estar mais podres e não vermos, pois reparamos sempre na árvore do outro.

Cuidemos do nosso coração, cuidemos dos frutos que precisamos produzir em nossa vida, porque a árvore pode estar muito bem rotulada – “Ah, essa árvore é cristã! É da igreja!” –, mas não é o rótulo que salva alguém; até porque rotular os outros é a coisa mais errada que existe no mundo. Precisamos olhar para nós e não querermos que os outros nos olhem pelo rótulo: “Sou isso! Sou daquilo! Sou da igreja!”. As pessoas precisam nos olhar e dizer: “Que frutos maravilhosos vêm desse coração, dessa vida!”

O que as pessoas provam quando se aproximam de nós, quando convivem conosco? A paciência, a bondade, a alegria, a ternura? Os frutos estão onde nós andamos.

Não há nada mais ruim do que uma profecia falsa. A profecia vem do profeta, que é cada um que se propõe a falar de Deus, a viver d’Ele e a pregar Seu nome. Não faltam pessoas que falem bem das coisas de Deus, não faltam pessoas que gritem à esquerda, à direita, nos palcos, nas televisões, em nossas comunidades, até esbravejando sobre as coisas de Deus.

Falta ao mundo ver onde estão os frutos, porque há quem pregue sobre o bem, mas não o faça; a quem pregue sobre a honestidade e não seja honesto; há quem fale para condenar o pecado dos outros e não condena o seu próprio; há quem semeia tantas coisas boas e não vive a bondade.

O dever do profeta ou de cada um de nós, que somos seguidores do Cristo Jesus, é podarmos a nossa árvore a cada dia, olharmos os frutos que produzimos a cada momento, para que não sejam frutos aparentemente bons, que quando olham dizem: “Nossa, que fruto maravilhoso!”, que pegam com gosto, mas, quando morde, está estragado e ruim.

Lapidemos e cuidemos de nosso interior, para que nossos frutos sejam de qualidade e não vendamos algo enganoso aos outros!

Deus abençoe você!

repensando-a-vida

Adquira em nossa Loja Virtual o livro do padre Roger


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: mailto:padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários