27 out 2013

Qual é a oração que agrada a Deus?

A oração que agrada a Deus, a oração que chega ao coração de Deus, é aquela que vem da profunda humilhação, de um coração profundamente humilde.

“O cobrador de impostos, porém, ficou à distância, e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: ‘Meu Deus tem piedade de mim que sou pecador!’” (Lucas 18, 9-14).

Meus queridos irmãos e irmãs, a Liturgia de hoje nos apresenta dois modos de nos aproximarmos do Senhor; dois modelos de comportamento que nós podemos ter diante de Deus. Vejam que tanto o fariseu como o publicano, que era cobrador de impostos, tinham uma postura religiosa e eram tementes a Deus. O que diferencia os dois? Os fariseus cumpriam suas obrigações religiosas, jejuavam duas vezes por semana; estavam sempre no templo. No primeiro momento, pode nos parecer que estes não faziam nada de errado. O que não é verdade, pois se sentiam justificados por aquilo que faziam, de modo que a espiritualidade farisaica em vez de conduzi-los à perfeição, os conduz à vaidade.

E a vaidade não vem de Deus, pois ela faz com que a pessoa tenha presunção, se ache justificada, certa, correta. Por isso, o fariseu, apesar de ir ao templo rezar, em vez de reconhecer os próprios pecados ele se exalta e se compara aos outros por acreditar que não se parece com ninguém.

Meus irmãos, esta, muitas vezes, é a postura daquela pessoa que sente que não tem pecado: “Vou confessar o quê? O que eu faço de errado?” Como aquelas atitudes nossas sempre que nos sentimos melhores que os outros, quando nos sentimos mais justificados, quando achamos que nós somos agraciados por Deus e os outros são pobres coitados.

A oração que agrada a Deus, a oração que chega ao coração de Deus, é aquela que vem da profunda humilhação, de um coração profundamente humilde, que reconhece: “Sim, eu sou um pobre pecador, eu tenho pecado, Senhor, por isso, tem piedade de mim! Tem compaixão de mim, pois eu não sou nem digno de me aproximar de Ti”.

A oração não pode nos levar a nos sentirmos orgulhosos, a termos o sentimento de vaidade dentro de nós ou nos sentirmos melhores do que os outros. Pelo contrário, uma vez que a oração nos aproxima de Deus e de todos os santos – e nós somos frutos do pecado – ela precisa fazer de nós pessoas mais humildes e misericordiosas, e a usarmos de mais compaixão uns para com os outros.

Deus abençoe você!

:: Ouça esta reflexão no Canal Pod Homilia

Comentários