25 out 2015

A luz de Cristo chega ao coração que se abre para a verdade

A nossa fé precisa nos levar a um passo adiante, para enxergarmos o que não conseguimos, para que a luz de Cristo inebrie mais a nossa mente e o nosso coração

“Então Jesus lhe perguntou: ‘O que queres que eu te faça?’ O cego respondeu: ‘Mestre, que eu veja!’” (Marcos 10, 51).

O cego Bartimeu é para nós o protótipo de todos aqueles que vivem à margem da vida, buscando luz para o coração, luz para sua vida, a possibilidade de enxergar o que humanamente não se consegue ver. A nossa compreensão de cegueira não pode ser limitada apenas a uma cegueira física, ainda que esta tenha muito a nos dizer.

O cego não consegue enxergar a luz do dia, o que está a sua frente. Ainda que tenha tato e sensibilidade, a possibilidade de ver não lhe é permitida, a luz não penetra seus olhos, tudo enxerga na penumbra. É preciso buscar uma luz para compreender as realidades que estão ao seu lado. Quando esse cego foi curado, passou a enxergar plenamente, não só a si mesmo, mas tudo o que estava ao seu lado.

Às vezes, olho-me com os dois olhos, enxergo a frente e atrás, mas, muitas vezes, não consigo enxergar o que está dentro de mim, não consigo enxergar as realidades mais sensíveis que estão ao meu lado. E vejo muitas pessoas com deficiência visual, tendo sensibilidade e possibilidade de enxergar muito mais longe do que eu.

A luz do alto, a luz de Cristo, vem a todos os corações que se abrem à verdade. Esse cego do Evangelho desejou muito ver a verdade: ‘Mestre, que eu veja!’ E a fé dele o curou.

A nossa fé precisa nos levar a um passo adiante, para enxergarmos o que não conseguimos, para que a luz de Cristo inebrie mais a nossa mente, o nosso coração e não fiquemos fechados, obcecados com o que já conhecemos, com o que sabemos, pois tudo diante da grandiosidade da luz de Cristo ainda é muito pequeno.

Peçamos: Senhor, que eu veja o que ainda não consigo enxergar; que, sobretudo, eu consiga enxergar as realidades mais profundas do meu próprio coração e da minha própria existência. Senhor, dai-me olhos para ver as necessidades daqueles que estão meu lado, dai-me olhos para enxergar muito além do meu egoísmo, além da minha visão limitada de mundo, de racionamento. Senhor, abrais os meus olhos como abriu os olhos do cego Bartimeu, eu também desejo enxergar com os Teus olhos!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários

Outubro

49%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários