20 out 2015

A graça de Deus faz nova todas as coisas

Onde o pecado feriu a nossa humanidade, a nossa dignidade humana, a graça de Deus vem suplantar, renovar e fazer nova todas as coisas

“Porém, onde se multiplicou o pecado, aí superabundou a graça” (Romanos 5, 20b).

A carta de São Paulo aos Romanos mostra-nos, hoje, a triste realidade do pecado na vida da humanidade, sobretudo, na vida de cada um de nós. Por um homem o pecado entrou na humanidade. É importante, a partir disso, entender que o pecado não tem uma consequência apenas pessoal, ele terá sempre uma consequência social, porque vai transbordar para outras realidades.

O ser humano não vive isolado, sozinho, vivemos em sociedade. O pecado de Adão se espalhou por toda a humanidade e até hoje sofremos as consequências daquilo que foi a falha do primeiro homem. Mas, não é só o pecado de Adão que reina sobre a face da terra, o pecado de cada um de nós se espalha: a maldade, a falta de amor, a falta de caridade, as fraudes, os roubos, os enganos, as ilusões, as fofocas. Enfim, os inúmeros pecados que iremos citar, não só nos prejudicam individualmente, mas se alastram e se tornam um mal muito grande.

Por isso, o pecado de um se multiplica para muitos. O meu pecado pode levar muitos a pecarem e assim se vai, o pecado de cada um de nós. É importante, também, lembrar que um ato pecaminoso que praticamos multiplica outros desejos desordenados, pecaminosos para a nossa própria natureza.

Olhando por esta ótica nos entristecemos com o pecado, vemos que ele é uma realidade muito dura e drástica para a nossa própria vida pessoal e para os nossos. Se o pecado é uma tristeza, a graça maior é saber que onde o pecado se multiplicou, superabundou a graça de Deus. Ali, onde o pecado feriu a nossa humanidade, a nossa dignidade humana, a graça de Deus vem suplantar, renovar e fazer nova todas as coisas.

Se por um homem, Adão, veio a desgraça, por outro homem veio a graça sublime, o homem Cristo Jesus. Por isso, o pecado pode nos causar uma tristeza num primeiro momento, mas quando tomamos consciência dele e nos arrependemos, procuramos refazer o mal que fizemos a nós e aos outros, aí vem uma realidade muito mais sublime: a graça de Deus que lava, que purifica, que faz nova todas as coisas.

Por isso, no dia de hoje, reconheçamos a tristeza do nosso pecado, mas reconheçamos como dom maior a graça da reconciliação em Deus, a graça da redenção que o Cristo Jesus nos trouxe.

Se o pecado nos condena, a graça de Deus nos salva. Por isso, não ficamos na condenação do pecado, mas na graça de Deus que faz nova todas as coisas.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários