08 jun 2015

A felicidade é uma meta para quem vive em Cristo

A felicidade é uma meta para quem vive em Cristo. Ser feliz é possível para quem não tira o seu olhar de Deus e coloca em prática os Seus mandamentos!

“Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o Reino dos Céus” (Mateus 5, 3).

Todas as vezes que ouvimos Jesus proclamar as bem-aventuranças na beleza deste Sermão da Montanha, na verdade, ao fazê-lo Ele proclama quem são os felizes, uma felicidade que começa na Terra e se estende à felicidade plena no Reino dos Céus.

No entanto, segundo Jesus, felicidade não é sinônimo de ausência de tristezas e de situações difíceis. Não, na verdade, a felicidade é um estado de espírito escolhido a ser vivido de acordo com a vontade de Deus e as disposições do Reino do Senhor.

Para isso, o Senhor nos aponta um programa de vida: muitas vezes, nós precisamos em nossa vida nos programar e ter metas e pontos a ser atingidos para que possamos realmente desenvolver aquilo que nós necessitamos. Precisamos fazer um plano de vida para que a nossa vida seja de acordo com a vontade de Deus e, mais ainda: um plano de vida, cuja meta é a felicidade!

Os critérios são apresentados por Jesus, quando nos diz que o Reino dos Céus se conjuga com a simplicidade, com a pobreza e com o despojamento, porque um coração muito cheio é sempre agitado e sempre inquieto. Ao passo que, quando é simples, pobre e despojado, mesmo tendo todas as coisas, o coração não há de se agitar por aquilo que tem ou não.

Um coração despojado é também um coração manso que não se agita por qualquer coisa, não é revoltado nem provoca revoltas nos outros. Não se trata de se conformar com as injustiças; muito pelo contrário, nós não podemos nos conformar de maneira nenhuma com as injustiças do mundo! O que não podemos é ser justiceiros, olhar a justiça a partir do nosso ponto de vista, do nosso prazer pessoal ou de nossas necessidades pessoais.

A justiça é algo muito amplo e envolve as pessoas, a sociedade e o mundo em que vivemos, sobretudo, quando olhamos  o que temos e os outros não têm o mesmo direito de ter. E quando a todos nós é privado o direito de ter aquilo que é o essencial para uma vida digna e justa. Nós não nos conformamos com as injustiças deste mundo!

Feliz é aquele que promove a paz e não a discórdia e o enfrentamento; não aquele que semeia o mal pelo mal. Promover a paz é levar ao coração dos homens o entendimento! E só quem tem paz consigo pode levar a paz aos outros. Não há bem-estar maior na vida – mesmo sabendo que você possa viver muitos conflitos, oposições e passar por apertos e dificuldades – quando a paz reina no seu coração, pois que a tem leva aos outros corações.

Feliz é aquele que tem misericórdia no coração e trata o seu irmão com misericórdia, não o trata de acordo com suas fraquezas, mas tem compaixão dos sofrimentos e da luta dele, tem compaixão das fraquezas individuais de cada um, assim como Deus tem miséricórdia e compaixão de todas as nossas fraquezas.

Felizes são os puros de coração! A pureza é uma graça tão necessária para todas as etapas de nossa vida. A pureza é a capacidade de enxergar o bem e não olhar o mundo pela ótica da maldade e da malícia. Somos, frequentemente, contaminados pelo olhar malicioso do mundo e pela maldade do coração das pessoas e, por vezes, agimos do mesmo modo.

Que Deus nos purifique das impurezas para que possamos vê-Lo onde Ele tem agido e onde a Sua graça tem atuado no meio de nós. Ser feliz é possível, é uma realidade para quem não tira o seu olhar de Deus e coloca em prática os Seus mandamentos!

Deus abençoe você!

Comentários