05 out 2016

Repartamos o pão com nosso próximo

A nossa oração tem de ser sempre assim para exaltar o coração de Deus, para repartir o Pai que temos, o pão que Ele nos dá com os outros

Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos” (Lucas 11,1).

Muitos discípulos de Jesus se aproximam d’Ele e fazem um dos pedidos mais importantes dentre tantos que Ele escutou: “Senhor, ensina-nos como devemos rezar!”.

Na verdade, até queremos rezar, temos vontade de rezar, porém não sabemos como…Quantas vezes você já chegou na igreja ou na capela e disse: “Meu Deus, como irei rezar? Como posso falar com Deus?”.

Mas quem nos ensina a rezar é o próprio Senhor! Pensamos que, para rezar, existe uma fórmula que se transforma numa oração escrita para rezarmos todos os dias.

A oração do ‘Pai Nosso’ é a oração mais bela, mais profunda, porque é a oração que o próprio Senhor nos ensinou. No entanto, o Pai Nosso, é antes de tudo, um modo de nos relacionarmos com Deus. Veja bem: primeiro a oração nos ensina a chamar Deus de ‘Pai’. O nosso relacionamento com Deus é de filho para com o Pai, não é de escravo para com o senhor ou de uma pobre criatura com um Deus distante e desconhecido.

É intimidade e proximidade. “Ele é meu pai!”. É belo demais nos dirigirmos a Ele! A importância é de que, primeiramente, tomemos consciência de que somos filhos e não somos filhos distantes; só somos distantes porque às vezes nós mesmos mantemo-nos assim.

Deus está tão próximo de nós que podemos chamá-Lo de Pai! Jesus O chamava: “Meu Pai! Aba Pai!”.

Aprendemos também na oração, que ela não pode ser egoísta. Às vezes a criança diz: “O pai é só meu!”, “A mãe é só minha!”. Mas Deus é Pai de cada um de nós e, por Ele, nós louvamos, glorificamos, santificamos e respeitamos o nome d’Aquele que é nosso Pai e pedimos: “Pai, que o Seu Reino esteja aqui presente, esteja acontecendo no meio de nós! Que o Seu nome seja santificado!”.

Pedimos também ao Pai que nos dê o pão de cada dia, mas não é um pão só para mim ou para minha família. É o pão nosso. Por isso, se o Pai é para todos, o pão que temos também é para ser dividido com todos.

É um erro quando a pessoa reza para que não falte nada em sua casa e pede: “Pai Nosso, dê o sustento para minha família, para minha casa!”. Tudo o que Deus nos dá, tudo o que temos em nossa casa é para repartirmos com aqueles que não têm.

Tome cuidado com o erro da ignorância humana, que acredita que a providência de Deus é Ele providenciar para mim e ao outro não, porque Ele não providenciou. É um erro grotesco de nossa parte, é uma ilusão do egoísmo e da soberba humana acharmos que aquilo que adquirimos é só para nós. “É fruto do meu trabalho! É fruto do meu esforço!”.

Você não pediu para o Pai te dar o pão? Você não pediu ao Pai para abençoar tudo que você tem? Este seu Pai, é Pai de todos nós. Por isso, não é justo nem sensato o filho que só pensa em si e não é capaz de repartir o que tem com os outros.

Não posso pensar que uma pessoa que tem a mesa farta para comer é capaz de desperdiçar comida, jogá-la fora e não lembrar de repartir tudo o que tem com aqueles que nada tem. Oração mal rezada é fruto de um egoísmo e se torna uma oração não vivenciada.

Reze: “Pai, perdoa os nossos pecados e nossas ofensas, porque assim também nos comprometemos a perdoar a quem tenha nos ofendido e, por favor, meu Pai, não nos deixeis cair na tentação”.

A nossa oração tem de ser sempre assim para exaltar o coração de Deus, para repartir o Pai que temos, o pão que Ele nos dá com os outros.

Que Deus nos proteja, que nos livre de todo o mal e nos guarde sempre em Seu coração!

Deus abençoe você!

Comentários