19 fev 2014

Que os nossos olhos se abram para enxergarmos o próximo

Deixemos o Senhor tocar novamente em nossos olhos para que possamos enxergar claramente uns aos outros como irmãos e irmãs.

”Então Jesus voltou a por as mãos sobre os olhos dele e ele passou a enxergar claramente. Ficou curado, e enxergava todas as coisas com nitidez” (Mc 8, 25).

 

A Palavra de Deus hoje nos ajuda a compreender o processo da ação de Deus na vida de cada um de nós, porque muitas pessoas absorvem a graça de Deus num toque d’Ele, numa graça de Deus, que chega e transforma nossa vida. No entanto, nós somos muito morosos; não é que Deus seja lento e moroso, mas a lentidão é própria de nossa natureza, veja como somos vagarosos para nos converter, para compreender e para entender a graça de Deus. Veja há quantos anos Deus vem batendo à porta do nosso coração e a nossa dificuldade de nos abrir a Ele.

O cego do Evangelho de hoje é um exemplo muito claro, para nós, do que é a nossa natureza humana, Jesus o pega pela mão, cuspe nos olhos dele e passa as mãos sobre os seus olhos. O Senhor, então, disse a ele: ”E agora, você está enxergando alguma coisa?” O homem afirmou: ”Sim, Senhor, eu estou enxergando e, estou vendo os homens, eles parecem árvores que andam”.

Por vezes, andamos para lá e para cá,  e não sabemos enxergar as pessoas; nós só sabemos enxergar a nós mesmos: nossos problemas, nossas dificuldades, a nossa vida. Nós nos isolamos em nosso mundo e a única coisa que nos interessa somos nós! Aquelas famílias que parecem um verdadeiro ”gueto”: é só pai, mãe, filho e acabou; e o mundo é que se exploda!

Ao passo que a pessoa que encontra Jesus na sua vida sai do isolamento e começa a enxergar os outros outros, começa a enxergar que existe mais alguém no mundo além dela.

Quantas pessoas são indiferentes quando alguém morre, quando alguém sofre, com as tragédias que há no mundo. Pensam: “É problema deles!” Não, pois eles são filhos de Deus, são nossos irmãos, são nossas irmãs!

Contudo, quando a Palavra de Deus nos toca, começamos a enxergar que existem outras pessoas; mas, no primeiro toque, pode ser que aconteça conosco o que acontece com este cego: ele vê a pessoa como árvore. Quantas vezes, enxergamos as pessoas como coisas. Sim, como coisas! Pensamos: “Espera aí: essa pessoa vai me dar retorno ou não vai? Ela é vantajosa ou não é vantajosa para mim? Ela me dá retorno ou não me dá retorno!?”.

Nossos olhos não estão tão cegos, mas também não estarão totalmente curados enquanto não pararmos de olhar as pessoas, os relacionamentos e as nossas amizades com interesse. “Eu sou só amigo de quem me interessa, de quem de alguma forma me oferece vantagem!” Muitas vezes, nós usamos as pessoas enquanto elas são úteis para nós e elas estão próximas de nós; depois que elas perdem a “utilidade” são descartáveis.

Deixemos Jesus fazer como o fez com o cego do Evangelho de hoje, deixemos o Senhor tocar novamente em nossos olhos para que possamos enxergar claramente, com nitidez, para que possamos enxergar uns aos outros como irmãos e irmãs. Que não enxerguemos mais as pessoas como coisas, somente movidos pelas vantagens que elas oferecem para nós. Que nossos olhos se abram e possamos enxergar com clareza e nitidez, com aquela luz que vem do céu!

Deus abençoe você!

 

Comentários