05 jul 2012

Que o perdão de Jesus nos cure a partir do nosso interior

A cura do paralítico nos é contada também pelos evangelistas Marcos (2,1-12) e Lucas (5,17-26). No entanto, Mateus apresenta essa história com mais particularidades.

Na sua versão, Mateus estiliza a cena reduzindo-a ao essencial, omitindo todos os particulares. A chave para descobrir sua intenção está nas palavras de Jesus: “Vendo a fé daquela gente, Jesus disse ao paralítico: ‘Meu filho, coragem! Teus pecados te são perdoados'”. Neste texto, Mateus quer afirmar que Jesus tem o poder de perdoar os pecados. A cura do paralítico comprova esse poder.

Além de ter o poder de perdoar os pecados, Jesus demonstra ter um poder mais forte de penetrar os pensamentos dos escribas, sem que alguém Lhe contasse, e disse-lhes: “Por que pensais mal em vossos corações?”.

Por sua vez, Jesus possui um conhecimento sobre-humano, sobrenatural, doado a Ele pelo Espírito Santo. Em outros momentos, Ele dirá: “Vocês veem as aparências. Eu vejo o coração”. Este conhecimento sobrenatural do Senhor demonstra que Ele tem também uma dignidade única e que justifica o Seu poder também único, aquele de perdoar os pecados.

Quando Jesus quer demonstrar que tem poder sobre o pecado, o paralítico passa para o segundo plano, como se não Lhe interessasse mais a cura daquele homem, mas sim nosso conhecimento de que o Filho do Homem tem o poder de perdoar os pecados.

A razão da cura do paralítico, o qual ouviu as palavras de Jesus: “Levanta-te, toma a maca e volta para tua casa”, é demonstrar a saúde eterna; o perdão dos pecados é mais importante do que a saúde do corpo.

Mateus, além de demonstrar o poder de Jesus, quer realçar a fé daquela multidão que se aproximou d’Ele, atraída a Ele justamente por causa deste poder. Fé tão grande que venceu todas as dificuldades. Fé que é confiança ilimitada no poder de Jesus, posto a serviço do ser humano.

O poder que o Senhor Jesus tem de perdoar os pecados foi passado aos seus discípulos-apóstolos, quando, ao ressuscitar dos mortos e aparecendo-lhes, disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós”. Depois destas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: “Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; aqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (João 20, 21-23).

Jesus pergunta a Pedro: “No dizer do povo, quem é o Filho do homem?” E aos seus discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Respondeu Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo”. Então, Jesus disse a Pedro: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do reino dos céus: Tudo o que ligares na Terra, será ligado nos céus, e tudo o que desligares na Terra, será desligado nos céus” (Mt 16,13-19).

Portanto, a Igreja de Cristo – e nela os homens escolhidos por Ele – tem a missão de administrar o sacramento do perdão. Não são eles que perdoam, mas é o Senhor que o faz na pessoa do sacerdote. Este poder de perdoar os pecados é inseparável da pessoa de Cristo e da Sua Igreja una, santa, católica e apostólica.

Pai, que minha fé, ilimitada em Seu Filho Jesus, seja penhor de perdão e cura. Que o perdão do Senhor me cure a partir do meu interior.

Padre Bantu Mendonça

Comentários