24 set 2014

Que Deus nos afaste da falsidade e da mentira!

Hoje pedimos ao Senhor que nos afaste de toda e qualquer falsidade e mentira. Tentações das quais devemos correr a vida toda! 

Afasta de mim a falsidade e a mentira, não me dês pobreza nem riqueza, mas concede-me o pão que me é necessário” (Provérbios 30, 8).

Meditando a primeira leitura da liturgia de hoje, que está no Livro dos Provérbios, ela  nos conduz a buscar a sabedoria da vida. Primeiro, porque a Palavra de Deus comprovada é um escudo para quem nela se abriga; é a luz que conduz os nossos passos e se torna a proteção, o refúgio, a segurança daqueles que colocam no Senhor a sua confiança.

Essa mesma Palavra nos inspira a pedir duas coisas importantes para Deus. A primeira delas é: afastar o nosso coração da falsidade e da mentira. Ninguém suporta viver no mundo de falsidades, de enganos, de ilusões, do faz de conta, onde tudo parece bonitinho, bacaninha, legal, mas quando vai se ver, no fundo, é tudo falso.

Nós corremos o risco de, muitas vezes, viver de beijinhos e abraços – “Oi! Como vai? Tudo bem?” Mas, no fundo, odiando-nos e querendo mal a esse ou àquele; pois não há nenhuma relação de proximidade, não há nenhum bem querer. A falsidade e a mentira são tentações para toda a nossa vida, das quais nós devemos correr acima de tudo! É por isso que pedimos ao Senhor, hoje, que afaste o nosso coração de toda e qualquer falsidade e mentira, sejam elas pequenas ou grandes. Pois a mentira só coloca a nossa vida no abismo.

Depois, a segunda coisa nós pedimos ao Senhor é que Ele não nos conceda nem pobreza nem riqueza, mas nos conceda a justa medida. E aí está a sabedoria, porque se pedirmos a Deus a riqueza, correremos o risco de cair na vanglória, de ser muito saciados e nos sentirmos demasiadamente orgulhosos e soberbos. Que tentação terrível é a pessoa se achar o máximo, que tem tudo, que pode tudo! Por isso todos os excessos fazem mal!

O excesso no “ter” é chamado de: riqueza. Por isso, o homem sábio não pede riqueza para si, mas também não pede a pobreza. Traduzimos a pobreza aqui por: miséria; ninguém merece isso, nenhum filho de Deus a merece! Porque a pobreza e a miséria deixam, muitas vezes, o coração revoltado e indignado e podem levar a pessoa até a se revoltar contra Deus, contra o mundo e contra a sociedade.

A revolta não faz bem à nossa saúde e ao nosso coração, por isso hoje pedimos a Deus que nos dê a medida necessária, a justa medida; nem oito nem oitenta; nem riqueza nem pobreza, mas o suficiente, o necessário para termos uma vida justa e digna e não sermos pesados a ninguém.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários

Outubro

53%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários