26 mar 2017

Permitamos que Deus cure o nosso olhar

Precisamos permitir que Deus cure e restaure nosso olhar, para que tenhamos a Sua visão em nós

“Jesus cuspiu no chão, fez lama com a saliva e colocou-a sobre os olhos do cego” (João 9,6).

Um cego de nascença está próximo de Jesus. Na verdade, é Jesus quem está passando e vendo aquele homem que nasceu cego.

Há pessoas que se tornam cegas durante a vida, mas há também pessoas que já nascem cegas por algum problema genético, por alguma má formação.

A pergunta que os discípulos fazem a Jesus: “Quem foi que pecou?”. Sabe, é aquela mentalidade de que todo mal que existe é consequência do pecado da pessoa ou foi pelo pecado de alguém. Ou seja, é aquela visão de que a pessoa está pagando pelo mal do outro. Não existe nada disso! Não existe nem aquela visão da reencarnação, de que a pessoa está aqui para pagar os pecados que cometeu em outra vida. Precisamos abolir isso da nossa mentalidade, porque isso não é evangélico.

É verdade que há erros que as pessoas cometem, que geram consequências para elas e para as outras também, mas são consequências de ordem natural. Não quer dizer que Deus determinou: “Agora, aquele filho tem que pegar por aquilo que o pai fez!”. De forma nenhuma!

Esse cego não está cego porque cometeu um pecado; ele já nasceu cego. Como aquela pessoa no ventre da mãe poderia ter pecado? E também não foi porque seus pais mereceram esse castigo.

Às vezes, encontramos crianças que nascem com alguma má formação, uma deformação genética, algum problema, e a mãe logo pergunta: “O que eu fiz de errado?”. Mamãe, papai, vocês não fizeram nada de errado! Houve algum problema na ordem natural, mas a ordem sobrenatural vai transformar aquilo que parecia uma tragédia, um mal, numa bênção divina!

Vejo como essas crianças que têm alguma deficiência tornam-se verdadeiras referências da bênção, da presença e do amor de Deus na vida dessas mães, dessas famílias! Elas apontam para nós, a começar por mim, a manifestação do Reino de Deus. Por isso, até mesmo para algo que parece trágico, precisamos olhar como o lugar onde a graça de Deus pode se manifestar, porque todas as coisas concorrem para o bem daqueles que esperam em Deus.

Por esse motivo, Jesus, hoje, olha para esse cego e mostra-o como um referencial para nós. Jesus se aproxima dele, cospe no chão (porque viemos do chão, viemos da terra), faz aquela lama, coloca nos olhos do cego e cura a sua cegueira.

Duas coisas: primeiro, Deus quer abrir os nossos olhos, porque este sim é o grande mal, a grande cegueira. Vivemos de forma iludida, de forma errada, enxergando a vida de forma distorcida, não como de fato ela é, como precisa e deve ser enxergada. Precisamos permitir que Deus cure e restaure o nosso olhar, para que tenhamos a Sua visão em nós!

Jesus diz algo a esse cego depois que ele está curado: “Não volte a pecar, para que não te aconteça coisa pior”. Não há coisa pior do que o pecado em nós, não há coisa pior do que o estrago que o pecado faz na vida de cada um de nós.

Que a misericórdia de Deus, hoje, lave os nossos olhos e nos ajude a ver o mundo, a nós mesmos e as pessoas com o olhar divino!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: mailto:padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários