10 mar 2015

O perdão é um escudo para a alma

O perdão é um escudo que nos protege de muitos males físicos e de doenças espirituais e emocionais. Precisamos olhar para todas as relações que já vivemos e aplicá-lo setenta vezes sete.

“Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete” (Mateus 18, 22).

A Palavra de Deus, que chega hoje ao nosso coração, é um convite para que eu e você vejamos o lugar que o perdão ocupa em nossa vida e em nossa espiritualidade, porque não existe espiritualidade cristã e não existe seguimento de Jesus Cristo sem fazer do perdão um escudo e um alimento para a alma.

Primeiramente porque o perdão é um escudo que nos protege de muitos males, de muitas doenças e nos protege do envelhecimento precoce e da saúde debilitada. Isso porque ele não faz bem somente ao nosso espírito e à nossa alma, mas também faz bem à nossa moral, à nossa saúde física, psíquica e assim por diante.

Jesus não nos quer doentes e enfermos, porque nós, muitas vezes, vivemos “engolindo” os nossos ressentimentos, as nossas mágoas e as nossas decepções com a vida e com as pessoas que encontramos ao longo do caminho.

O perdão não deve ser vivido somente em algumas situações, ele deve ser vivido em todas as ocasiões da vida! Ao perguntar a Jesus se bastava perdoar sete vezes um irmão, quando este pecasse contra ele, é como se o Senhor dissesse a Pedro: “Se sete já é um número perfeito, é preciso levá-lo ao extremo da perfeição”. O Senhor é muito claro, o perdão não basta ser humano, ele precisa ser um perdão divino! Da forma como Deus nos perdoa é assim também que devemos perdoar ao nosso próximo, ao nosso transgressor, ao nosso devedor.

Tudo isso porque, ao implorar de Deus o Seu perdão e a Sua misericórdia, nós queremos que Ele tenha compaixão de nós e que Ele realmente nos perdoe de todo e qualquer pecado que nós tenhamos cometido, com o qual agredimos a Sua presença em nós e deixamos de honrá-Lo quando pecamos contra o nosso próximo.

Deus nunca nos nega perdão, nunca nega Sua misericórdia, mas o mesmo Deus que perdoa e é misericordioso, no sentido mais extremo da palavra, também é um Deus justo. Com a mesma medida que nós usamos para perdoar aos outros é que seremos também perdoados por Ele na realidade final de nossas vidas. Se passamos a vida inteira pedindo a Deus perdão pelos nossos pecados e Ele sempre nos perdoa, por que é que, no nosso egoísmo e em nosso orgulho, nós só perdoamos ao próximo de vez em quando, quando achamos conveniente ou quando temos forças para isso?

Eu sei que perdão não é uma coisa automática, perdão não é dizer que: “Eu vou perdoar!” ou “Eu já estou perdoando”. Precisamos querer perdoar, esse é o primeiro passo, os outros Deus vai nos ajudar a realizá-los, mas a disposição primeira tem que ser nossa. Precisamos olhar para nossa vida e história e aplicar em todas as relações que já vivemos o perdão setenta vezes sete. Assim nós não vamos nos decepcionar no nosso encontro definitivo com Deus.

Se muito perdoamos, muito também seremos perdoados!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários