23 fev 2015

Acolher o próximo é acolher o próprio Cristo

Acolher o próximo é acolher o próprio Cristo. Jesus deseja ser acolhido e ir ao seu encontro por intermédio do enfermo, do pobre e dos mais sofridos e necessitados.

“Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!” (Mateus 25, 40).

 

A Quaresma é um tempo propício para que nos convertamos com relação a certas atitudes, ações e reações que temos na vida. Assim como é um tempo para nos convertermos a Deus, é um tempo também para nos convertermos no que se refere ao nosso próximo. E aqui a Palavra de Deus nos chama a atenção para a nossa conversão em relação aos mais necessitados.

Nós não podemos passar nesta vida sem cuidar e sem receber Jesus que está na pessoa dos mais pobres, dos mais sofridos e necessitados. O mesmo Jesus em que eu creio e ao qual adoro – que está na Eucaristia e vem ao meu encontro quando me abro para Ele – é o Jesus que está na pessoa dos pobres, dos mais sofridos e dos mais necessitados.

Se eu lhe perguntasse o que você gostaria de fazer para Jesus, com certeza, você Lhe daria o melhor da sua comida e o melhor da sua casa e até a decoraria de outra forma para poder acolher o Senhor.

O mesmo Jesus a quem você quer abraçar e deixar abrasar dentro de si deseja ser acolhido e ir ao seu encontro na pessoa do próximo, na pessoa dos mais sofridos e necessitados. Por isso quando você vir alguém passar fome não é esta ou aquela pessoa a quem você alimenta, mas é o próprio Jesus que passa fome no meio de nós. Da mesma forma, quando você vai a um hospital, à casa de alguém doente ou enfermo, é o próprio Jesus a quem você vai visitar e dar o melhor de si. E quando você vir alguém despido, sem vestes, sem roupas, maltrapilho, é Jesus pobre, sofrido e escarnecido.

E por mais duro que seja, Jesus está na pessoa do próximo nas prisões, nos asilos, nos orfanatos, nas ruas, debaixo das pontes, nas palafitas, nas favelas. Jesus está nos hospitais, Ele está onde houver um sofrido, onde houver um necessitado, onde houver aquela pessoa que pode até parecer repugnante aos nossos olhos e aos nossos sentidos. Ali está Jesus.

Portanto, se eu quero cuidar de Jesus, eu preciso cuidar d’Ele onde Ele estiver. Talvez seja mais fácil cuidar da toalha do altar, fazer uma oferta para a Igreja. Maravilha! Essas são algumas maneiras de cuidar das coisas do Senhor. Mas nós precisamos tanto acolher Jesus no meio de nós que podemos comungá-Lo na comunhão com os pobres e no cuidado com os necessitados.

No dia do julgamento final nós não seremos julgados pelas vezes em que comungamos nem pelas vezes em que rezamos o terço e o rosário, ainda que estes sejam meios que nos santifiquem e que nos façam melhores. No entanto, se todos os rosários que rezei, se todas as comunhões que já fiz e se todas as leituras da Bíblia que eu realizei não me converteram, para que eu encontre Jesus naqueles que sofrem, eu preciso realmente deixar que o Evangelho chacoalhe o meu coração e a minha vida.

“Todas as vezes que fizestes isso a um dos meus irmãos, foi a mim que o fizestes”, diz Jesus no Evangelho segundo São Mateus, no capítulo 25, versículo 40.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários