10 Jan 2019

O amor cura as cicatrizes do desamor

O amor, muitas vezes, exige o silêncio meditativo e contemplativo, de quem guarda no coração amor para curar as cicatrizes do desamor

Se alguém disser: ‘Amo a Deus’, mas odeia o seu irmão, é um mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê” (1João 4,20).

Vivemos num mundo de mentiras, de falsidades e hipocrisias. Há um mundo de mentiras na vivência da nossa fé, e talvez a grande mentira que possamos viver em nossa vida é dizer que amamos a Deus. É um amor hipócrita, porque se não amamos o nosso irmão, a quem estamos vendo, como vamos amar a Deus que não vemos?

Deus se faz real no meio de nós nas pessoas que precisamos amar, e aqui não se trata daquela hipocrisia e falsidade, trata-se da verdade, porque, senão, viveremos de muitas mentiras em nossa vida. Não há coisa pior do que uma vida mentirosa, falsa e enganosa.

Eu não me deixo iludir, porque a pessoa está lá adorando Jesus, passa horas adorando e cantando para Ele, exaltando e pregando, mas quando olho para a vida da pessoa, ela não ama o seu irmão e não tem testemunho de amor. Fala-se muito de testemunho: “Fiz isso. Fiz aquilo”, mas o nosso grande testemunho é amarmos, de verdade, uns aos outros, amar aquele que não queremos, não suportamos, mas estamos na presença dele, amar quem nos fez mal, quem nos prejudicou, falou mal de nós e agiu contra nós, amor verdadeiro e autêntico.

Quando amamos, não derrubamos o outro, não falamos mal dele, não fazemos complô, ou seja lá o que for, para nos contrapormos a quem não nos faz bem.

O amor, muitas vezes, exige silêncio, mas não é só o silêncio de falar ou deixar de falar. É o silêncio meditativo, contemplativo, o silêncio de quem guarda no coração amor para curar as cicatrizes do desamor.

Se o outro me prejudicou ou me fez mal, não vou devolver o que ele me deu. Se ele me deu desamor, vou devolver o que ele me deu com amor e oração. “Orai por aqueles que vos persegue”.

Como precisamos orar uns pelos outros! Geralmente, nas nossas orações, colocamos aquelas pessoas que queremos bem demais. Na verdade, a oração deveria ser, em primeiro lugar, por aqueles que não queremos bem demais, sem hipocrisia, porque precisamos reconhecer que há pessoas que não queremos tão bem. Então, não estamos orando primeiro por aquelas pessoas, estamos orando por nós e pelo nosso coração, para que ele seja curado e libertado daquele sentimento negativo que temos em relação àquela pessoa.

Não quero viver, na minha vida, nenhuma decisão de desamor. Às vezes, o nosso coração não consegue acompanhar a razão, mas a decisão é amar sempre. Então, o nosso esforço, a nossa oração é para vivermos, porque não podemos viver com Deus uma relação hipócrita.

Não crescemos na intimidade com Deus, porque cultivamos uma mística oracional, focada em Deus e desfocada do mundo em que estamos. Temos situações não resolvidas na vida, de amor e relacionamento, mas achamos que esquecer isso e estar em Deus nos salva.

Não vamos para a presença de Deus até pagarmos o último centavo, até resolvermos todas as situações não resolvidas por falta de amor nessa vida.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Ajude a Canção Nova!

0%

Confira a ediçao especial da revista
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.