26 maio 2010

Vocação de serviço*

Jesus, no Evangelho de hoje, aproveita a ocasião para instruir os discípulos e a cada um de nós sobre o exercício da autoridade na comunidade cristã. “Sabeis que aqueles que são conhecidos como chefes dos povos os tiranizam e os grandes os oprimem. Vós, nada disso: o que quiser ser grande, seja o vosso servidor; e o que quiser ser o primeiro, seja o servo de todos.” Jesus propõe-lhes um mundo totalmente ao contrário disso.

Cristo apela a um fato de experiência humana. Toda a autoridade, por dinâmica interna, tende para o domínio e exclusivamente, em casos extremos, para a tirania e a exploração dos semelhantes. Isso acontece tanto em âmbito político e econômico como ideológico, administrativo e prático sem que fique excluído o religioso. A vontade de poder, e não de servir, é a raiz de todos os males sociais, o pecado original que vicia a convivência humana, montada sobre a luta e a competência. Embora haja exceções honrosas, costuma prevalecer a ambição de domínio sobre a atitude de serviço; e adota as mais variadas formas, avassaladoras e descaradas umas; hipócritas e sutis outras.

Muitos empresários e políticos sequestraram o verbo “servir”; mas seus “serviços” passam fatura ao cliente, seja em dinheiro ou em poder. Não é este o estilo de serviço que Jesus propõe aos Doze e a todos nós, mas um serviço sem fatura. Na Igreja não há ministério autêntico nem função ministerial ou comunitária que não seja serviço aos irmãos. Esse é o significado original de “ministério” (diakonía em grego, isto é, serviço).

A vocação de serviço que Nosso Senhor Jesus Cristo propõe, no Evangelho de hoje, não é tarefa somente da hierarquia na comunidade cristã, mas também dos fiéis leigos. É a comum missão eclesial de serviço que nos faz ser fraternos e une a todos os membros do povo de Deus em comunhão de vida e destino – nosso destino é o céu! Pastores e povo, todos na Igreja, estamos a serviço da missão de Jesus, que é serviço ao Reino de Deus.

A razão última desta proposta baseia-se no exemplo de Cristo, que não veio para ser servido, mas para servir e dar  a vida em resgate de todos. Seguindo as pegadas do Senhor, todo cristão, tal como a Igreja à qual que pertence, tem uma missão de serviço para a salvação do mundo.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

*Cf. B, CABALLERO. A Palavra de cada dia. p. 351-352. Paulus: 2000.

Comentários