15 jul 2010

'Vinde a mim vós que estais cansados'

Uma das coisas que sempre me chamaram muito a atenção nos Evangelhos é quanto ao momento – cronologicamente falando – em que Jesus prefigura a instituição da Eucaristia e a institui no cenáculo naquela Quinta-feira Santa, às vésperas da Sua Paixão, Morte e Ressurreição.

Quando o Senhor multiplica os pães, nas duas ocasiões, é no final da tarde, início de noite; é o próprio Cristo que não permite que a multidão saia sem se alimentar, pois já cai a noite. Jesus institui a Eucaristia no final da tarde, início da noite, daquela Quinta-feira Santa; em Emaús, Ele passa adiante, fazendo que iria embora, quando os discípulos dizem: “Fica conosco, Senhor, pois o sol declina e já é tarde”. Que coisa espetacular e impressionante! É algo que precisamos entender profundamente, para que venhamos a viver o que o Ressuscitado pede no Evangelho de hoje: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vosso fardos, e eu vos darei descanso”.

Ora, para entendermos isso, vamos nos remeter àquilo que acontece conosco no cotidiano de cada um de nós, na vida concreta. Não existe nada mais maravilhoso do que chegar em casa no final do dia, depois de um dia cheio, cansativo, tomar um banho, ver a família, tomar uma refeição com as pessoas que amamos e restabelecermos as forças; tudo isso, no final do dia, início da noite, no entardecer.

O que Jesus quer nos ensinar com essa atitude? Quer nos ensinar que devemos fazer isso,  com relação às realidades espirituais também; urgentemente! O entardecer para Cristo – quanto ao prefigurar e  ao instituir a Eucaristia – não se encontra fundamentado numa realidade cronológica, mas espiritual, ou seja, quando o cansaço bater, quando as situações pesarem, quando a dor chegar e o desgaste sufocar a nossa vida, devemos nos refazer e buscar forças em Deus, na Eucaristia, refugiando-nos no Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é manso e humilde! Tudo isso por meio de uma profunda intimidade com Ele, constantemente.

Devemos aprender a levar o nosso coração fragmentado, dilacerado, dividido, angustiado, para dentro do Coração de Jesus; aliás, providencialmente, este Evangelho caiu exatamente hoje, no dia de São Boaventura, cuja memória celebramos com toda a Igreja. Esse grande santo diz que, assim como os pássaros buscam seu refúgio nas fendas das rochas, depositando ali seus ninhos, da mesma forma devemos nós depositar toda a nossa vida, tudo o que temos e somos, na fenda do Coração Misericordioso de Jesus, Cristo, rasgado pela lança, por amor a cada um de nós.

Receba, Senhor, o nosso coração cansado, dividido, em pedaços e unifique, restaure; refugia-nos em Teu Coração. Sim, Jesus, eu confio em Vós.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

Comentários