14 Jul 2019

Usemos de misericórdia para com todos

“E Jesus perguntou: ‘Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?’ Ele respondeu: ‘Aquele que usou de misericórdia para com ele’. Então Jesus lhe disse: ‘Vai e faze a mesma coisa’” (Lucas 10,36-37).

O exemplo maravilhoso, que o Evangelho de hoje nos dá, é para responder uma das questões mais importantes da vida humana: “quem é o nosso próximo?”. Temos o sentido de proximidade na língua portuguesa, as pessoas que são próximas a nós, quem vive conosco, quem mora conosco, aquele que compartilha o mesmo leito que você, os filhos que você gerou, os amigos que você tem intimidade.

Muitas vezes, até confundimos intimidade com proximidade. Evangelicalmente falando, próximo é aquele que nós permitimos nos aproximar de nós e que nós levamos a Ele a graça do Evangelho.

A verdade é que têm pessoas que moram conosco, mas estão distante de nós, porque criamos barreiras que nos distanciam; são ressentimentos, mágoas, situações mal resolvidas. A verdade é que as pessoas estão cada vez mais distantes. E, se levarmos em conta aqueles que estão à beira do caminho, esses é que estão cada vez mais distantes de nós.

O Evangelho veio para aproximar as pessoas de Deus e aproximar os irmãos uns dos outros. A religião de Jesus é a que aproxima, e não a que distancia.

É com misericórdia que podemos salvar o mundo e nos aproximarmos uns dos outros

Podemos ser como os sacerdotes muito ocupados com as coisas de Deus, muito ocupados em falar d’Ele, mas não criarmos relação de proximidade uns com os outros. Sempre passamos adiante porque estamos apressados, temos muitas orações para fazer, temos práticas de piedade para cumprir. Temos uma lista grande de compromissos religiosos, as nossas obrigações de casa, as nossas tarefas, os nossos afazeres.

Podemos ser, também, como os levitas, legalistas, pessoas da lei tão preocupadas em fazer as leis se cumprirem, inclusive, as leis religiosas. Estou vendo as pessoas brigarem por causa de dogmas, crenças e opiniões e, essas brigas, em vez de aproximar, só distanciam mais as pessoas. Pois estão criando muros no meio de nós para que fiquemos cada vez mais distantes. Pessoas que creem no mesmo Cristo não se falam, não comungam, não podem sentar a mesma mesa.

Um homem que foi separado da religião judaica, um samaritano, foi ele que parou para cuidar do seu próximo, ele deu atenção, cuidou das feridas, cuidou de tudo aquilo que aquele homem estava sofrendo e passando.

Jesus se aproximou de nós para que nos aproximemos uns dos outros, para que cuidemos daqueles que estão feridos e machucados. Inclusive, estamos feridos e machucados, e, o Senhor, veio curar as nossas feridas, então, precisamos fazer o mesmo.

Não é falar de misericórdia, e sim agir com misericórdia, começando com aqueles que estão próximos de nós mas que as circunstâncias tornaram distante; todos aqueles que estão às margens da vida, marginalizados pelas situações da vida, eles precisam estar próximo de nós. Precisamos usar de misericórdia para com todos, porque foi com misericórdia que o Senhor nos tratou. E é com misericórdia que podemos salvar o mundo e nos aproximarmos uns dos outros, porque só assim estaremos próximos do Reino dos Céus.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários

Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.