22 mar 2013

Um mistério de amor acessível a todos

Irmãos e irmãs, é muito interessante o contexto celebrativo, em que Nosso Senhor Jesus Cristo se comunica em Jo 10, 31-42. Aconteceu que o rei Antíoco IV Epífanes (cf. 1 Mc 4,36-59; 2 Mc 10,1-10) promoveu uma profanação do Templo, e a chamada “Festa da Dedicação” fazia memória da reconsagração do Templo por volta de 164 a.C. Portanto, respirava-se um clima festivo de reconquista e consagração.

Por tudo isso, o justo motivo de uma grande festa judaica. Convém também lembrar que os cristãos da comunidade joanina estavam diante de um Evangelho escrito posteriormente à destruição definitiva do Templo de Jerusalém (70 d.C.), por ocasião da invasão do exército romano. Realidade prevista por Cristo, mas não desejada, como testemunha o Santo Evangelho: «Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar. E disse: “Se tu também compreendesses, hoje, o que te pode trazer a paz! Agora, porém, está escondido aos teus olhos! Dias virão em que os inimigos farão trincheiras, te sitiarão e te apertarão de todos os lados. Esmagarão a ti e a teus filhos, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não reconheceste o tempo em que foste visitada» (Lc 19, 41-44).

Palavra realista de um Deus apaixonado, que não podia impor a Sua vontade nem a verdade! Mas também uma revelação que serve de alerta para a responsabilidade humana e suas consequências perante as indispensáveis visitas de Deus na história pessoal e universal. Ele continua a agraciar o povo amado de Deus e revelou-se como Deus Uno e Trino: «Eu e o Pai somos um» (Jo 10, 30).

Jesus Cristo, um com o Pai, no Espírito Santo! Ele é a manifestação do mistério do Deus Triúno pelo Seu ser, agir e falar, mas que espera uma resposta de fé e adesão igualmente livre: «Se não faço as obras de meu Pai, não acrediteis em mim. Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais crer em mim, crede nas minhas obras para que saibais e reconheceis que o pai está em mim e eu no Pai» (vv. 37-38).

Assim Jesus se revela como sendo maior do que o venerável Templo, ainda que o Senhor não o despreze. Ele se apresenta como o Dedicado e o Consagrado por excelência do Pai, que O enviou para obras de salvação. E caso O quisessem destruir (matar), como de fato tentaram e conseguiram, a Sua Palavra e poder é quem dará sempre a última palavra, pois ela é definitiva, e não a ignorância e maldade humana: «Destruí vós este templo e em três dias eu o reerguerei» (Jo 2, 19).

Com outra palavra de vida eterna, Jesus Pascal iluminou também a Semana Santa que se aproxima: «Ninguém me tira a vida, mas eu a dou por própria vontade. Eu tenho poder de dá-la, como tenho poder de recebê-la de novo. Tal é o encargo que recebi do meu Pai» (Jo 10, 18).

Na proximidade da Solenidade das solenidades – a Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo -, somos convidados a um mergulho no amor encarnado e crucificado, que venceu o mal e a morte, reconquistando gratuitamente para nós a nossa comunhão com Deus e entre nós. O único Redentor do gênero humano consagrou-nos na verdade que liberta (cf. Jo 17), isto pela Sua oração, graça e santo Batismo; também pelos méritos infinitos mereceu-nos a participação numa festa eterna, atualizada, prefigurada e antecipada por obra do Espírito Santo.

Realidades e possibilidades que nos convidam a uma participação ativa e frutuosa na Sagrada Liturgia da Igreja, principalmente neste tempo forte que se aproxima. Por isso, desde já, tenhamos uma Santa Semana em torno do mistério do Amor Pascal e não meçamos esforços para tomarmos posse das graças alcançadas por Quem não mediu esforços para nos salvar! Santa Páscoa!

Padre Fernando Santamaria – Comunidade Canção Nova


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários