10 fev 2011

Um coração humilde sempre alcança o favor de Deus

A grandiosidade da fé da mulher cananeia fez com que ela mergulhasse profundamente em busca de salvação e libertação para sua filha e tivesse uma melhor aproximação de Jesus. O tratamento de Jesus dado a ela, diante de sua fé, ao nosso ver, parece-nos uma resposta dura, severa, e desamorosa; e grosseira do tipo de quem não demonstra amor, piedade, misericórdia e carinho fraternal ao próximo.

O certo é que o Senhor Jesus sabia muito bem o que estava fazendo ao chamar a filha daquela mulher de filhos cachorrinhos. Só que existia algo diferente no tom das palavras de Cristo que era transmitida de forma carinhosa e mansa, adoçada, com óleo do Espírito Santo, de forma a encorajar a fé daquela mulher, para que ela desse uma resposta cheia de esperança e coragem diante de Deus e dos homens.

Olhando para o encontro da mulher com Jesus e do diálogo que Ele teve com ela, ninguém faria melhor do que Cristo em tratar aquela grega como sendo ou pertencendo a um povo que estava no segundo plano de Deus para a salvação. Caso fosse outra pessoa não teria sido bem-sucedida. Percebe-se uma coisa nas palavras de Jesus: existiram nelas moderação, elegância e um amor respeitoso. Cristo não falou àquela mulher com palavras estúpidas, grosseiras e agressivas; mas o fez com um tratamento humano e divino de tal forma que não agravasse os dois lados da situação da mulher, tanto religioso quanto tribal. E que não a levasse a desistir da busca de solução de seu problema, que era gravíssimo.

Caso você esteja procedendo de acordo com o citado acima, tenha a certeza de que logo você não terá amigos. Todos se afastarão de você para sempre. A fé da mulher cananeia, na classificação Jesus, vai de numa escala de pequena a grande. Ele deu o máximo da escala. O que mostra a suficiência de sua fé para uma pessoa humana poder receber um beneficio das mãos do Criador. Jesus falou da fé dela o seguinte: “Mulher, grande é a tua fé”.

A fé desta mulher pode ser colocada em igualdade com a fé do centurião, para o qual Jesus foi mais um pouco mais além por sua admiração, que chegou a declarar que dentro de Israel não havia encontrado um homem de fé como desse homem. E disse dele o seguinte em Mt 8:10 – “Em verdade, vos digo que a ninguém encontrei em Israel com tamanha fé”.

A fé em sua composição se apresenta com as suas mais variadas formas e manifestações, de como agradar a Deus na conquista do coração divino. A fé que agrada a Deus é aquela que não aceita a derrota. Não aceitar um “não” como resposta, não aceita ser desapontado, não aceitar ser zombado ou até desacreditado. A fé não olha para os obstáculos, não vê o perigo, não aceita rejeição, não se conforma nem descansa enquanto não ver de tudo resolvido e com as coisas no seu lugar. Isso agrada ao Senhor. E o que Deus mais quer é se sentir buscado, Ele tem o prazer de ver Suas criaturas O procurando.

A humildade da mulher Cananéia, era uma humildade do mais profundo da alma e do espírito. Aquela humildade que vem do interior ou do introspecto de seu íntimo. Foi esta humildade de que se referiu Jesus no cap. 5 de Mateus. Esta humildade não está limitada e baseada no âmbito e na falta dos bens materiais. Mas sim aquela que destroniza do coração toda a qualquer pretensão de granjear dinheiro para colocar seu ninho acima de todos. A fé em Deus é esta colocar em Deus como seu bem maior.

A humildade deste tipo como se referiu Jesus é quem nos dá a garantia de encontrar descanso para nossas almas. (Mt 11:29) O apostolo Pedro compara a humildade como uma cinta, que o homem coloca em seus lombos para condução de todos os seus apetrechos de trabalho (I Pe 5:5) e é esta humildade que nos traz benefícios e ao próximo. Já o rei Salomão fala do galardão ou recompensa de que a possui. Pv 22:4 O galardão da humildade e do temor do Senhor é riquezas, e honra e vida.

A mulher cananeia reconheceu seu estado de fracasso espiritual em Mateus 15:22. Um bom e compreensivo servo de Deus compreende muito bem o que se passava com a mulher cananeia. Colocar-se no lugar do próximo e sentir o seu sofrimento não é para qualquer um. Às vezes, só compreendemos o que se passa com outrem quando passamos por algum tipo de problema ou sofrimento semelhante. Então começamos sentir na própria pele que o sofrimento daquela mulher não era brincadeira. Só sentimos o sofrimento alheio quando nós passamos por algum tipo de apuro. Não era fácil conviver com uma filha possessa dentro de casa.

Mesmo as “migalhas” do poder de Deus são suficientes no suprimento de nossa vida espiritual. As autênticas palavras da mulher diziam tudo ao coração de Jesus. Quando ela falou de migalhas, para Ele, estava se referindo ao mínimo, ao que nos parece o mínimo do poder de Deus da cura e da salvação, que segundo Jesus era o alimento dos filhos de Israel.

Mas o que a mulher queria dizer com isso era algo mais autêntico para mover o coração de Jesus como, de fato, o fez. Em outras palavras: ela dizia para Jesus que mesmo as “migalhas” de Seu poder seriam suficientes para expulsar aquele demônio da vida de sua filhinha. Quer mais do isso?

A mulher, com sua humildade, fez um cerco a Jesus de todos os lados, de tal maneira que Ele não teve escapatória. Vejam bem: recebeu uma resposta como ela recebeu, da boca de Jesus era um verdadeiro “não”, que podia deixar o coração de qualquer um partido. Mas ela se apresentou com sua versão, a mais humilde possível naquela hora de incertezas, de receber Sua bênção. Veja o que ela disse: “Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores“.

Pai, tenho diante de mim o mundo todo a ser evangelizado. Transforma cada circunstância e cada momento da minha vida em chance para dar testemunho do Teu Reino.

Padre Bantu Mendonça

Fonte: Retirado do Blog do padre Bantu


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários