28 fev 2012

Suplique até que o Pai coloque a certeza da vitória em seu coração

No tempo da Quaresma, a Igreja nos convida a viver em oração, penitência e caridade. Hoje, Jesus vem nos ensinar como realizar um destes três pilares: a oração.

Este tempo é bastante propício para reiniciarmos ou darmos continuidade às nossas orações, entretanto, elas não precisam ser proferidas em muitas e belas palavras. Não importa quantas e quais palavras utilizemos em nossas orações, Jesus nos garante no Evangelho: “Vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais”. Por isso, a forma mais simples e humilde de orar é com o “Pai Nosso”.

Todos conhecemos a oração do “Pai Nosso”, mas por conhecê-la muito bem, às vezes, oramos sem meditar sobre o que estamos falando. Esta oração é muito bonita e forte, mas de nada nos serve se for vazia de sentimento. Penso que este é o principal ponto da oração, ela deve sair do coração, não importando se é apenas uma frase: “meu Deus, eu O amo, tenha piedade de mim”.

Jesus nos ensina a rezar. Ele diz que não precisamos usar palavras bonitas ou difíceis, pois o Pai já sabe do que precisamos muito antes de abrirmos a boca para Lhe pedir.

Então, a nossa oração serve mais para nós do que para Deus? Veja que interessante: quando oramos ao Senhor, estamos lembrando a nós mesmos de que é Ele quem está no comando das nossas vidas. E é com essa segurança que “voamos” cada vez mais alto e “saltamos” cada vez mais longe, pois sabemos que Ele não vai nos desamparar.

Na oração do “Pai Nosso” também pedimos o alimento de cada dia e o perdão das nossas ofensas. Mas isso é algo do qual Deus só pode participar parcialmente, pois precisamos fazer a nossa parte, ou seja, para podermos comer, precisamos trabalhar, certo? Ou, pelo menos, alguém precisa.

Por último, o Evangelho nos faz refletir sobre o perdão: “De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

O texto nos remete a uma passagem de Mateus 18,23-35 que se aplica muito bem a esses dois versículos. Na parábola, Jesus compara o Reino ao rei que perdoa a enorme dívida do seu servo, mas este, ao sair da vista do patrão, agarra e sufoca um de seus devedores, não lhe perdoando uma pequena dívida. Então, este empregado que foi perdoado, mas não perdoou, deverá prestar contas ao rei por sua maldade. Para poder ser perdoado, é preciso perdoar.

Quando fazemos a oração do “Pai Nosso”, temos a oportunidade de nos lembrar de que para poder corresponder a todos esses dons do nosso Pai do Céu precisamos sair do nosso comodismo, trabalhar e perdoar a quem nos ofendeu; assim, nos libertarmos de uma prisão que teimamos em construir em torno de nós mesmos.

Meus irmãos, precisamos orar, assim como precisamos respirar. Pela oração constante se estabelece com Deus profunda intimidade e, a partir dela, somos levados a moções, ou seja, situações da nossa vida que nos levam para perto do Senhor, aquilo que nos conduz a Ele, que nos faz amar mais, perdoar mais.

No entanto, quando estamos mergulhados nos “ruídos interiores”, há o ardil: situações que nos afastam de Deus e nos desvia de Seus caminhos. Mas persevere. Não desista de rezar. Prostre-se diante de Deus e Ele colocará a certeza da vitória em seu coração. Transforme esses ruídos interiores em perseverança, em oração. Abra o coração, fale com o Senhor, seja insistente na oração, esteja aberto a Sua vontade, aguarde a Providência Divina no momento certo da sua vida.

Peça ao Senhor a graça de descobrir as coisas que o abatem e não permitem que você persevere. Se necessário, chame e grite: “Pai Nosso!”.

Padre Bantu Mendonça

Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários