15 nov 2014

Só a nossa fé nos mantém unidos a Deus

A oração que chega a Deus é aquela que persiste, que não desiste, vai de forma insistente tocando e abrindo o coração de Deus. A única riqueza que ninguém pode tirar de nós é a nossa fé!

“Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?” (Lucas 18,8).

Para nos falar sobre fé, o Senhor nos mostra o exemplo de uma nobre mulher do Evangelho de hoje. Nós a chamamos de pobre viúva, mas talvez fosse uma viúva muito rica de coração e de fé.

A única riqueza que ninguém pode tirar de nós é a nossa fé! E tamanha era a fé dessa viúva que, de uma forma muito insistente, ela se torna um exemplo para nós. Na parábola, vemos que ela vai até o juiz pedir que se faça justiça; ela insiste, mas ele nada de a ouvir. A viúva era temente a Deus e continuava a ser insistente até que conseguiu o que queria. Não porque o juiz gostou dela; muito pelo contrário, desculpe-me a expressão, mas ele já estava cansado dela. Então, para se ver livre, atendeu o que ela queria. É como se ele dissesse: “Por favor, não me atormente mais!”.

O que Jesus está dizendo sobre essa viúva, Ele também diz de nós e de nossa oração. A nossa oração precisa ser insistente como a da viúva. Sim, meus irmãos, a oração precisa ser perseverante; não essa que nós rezamos um dia, e no outro nem ligamos mais. Não é assim!

A oração que chega a Deus é aquela que persiste, que não desiste, vai de forma insistente tocando e abrindo o coração de Deus. A oração da insistência é também a da confiança: “Eu tenho a certeza de que Deus vai me ouvir no Seu tempo, por isso eu não desanimo, não entrego os pontos, não me deixo desfalecer. Por mais que eu fique cansado, por mais que, muitas vezes, eu fique exausto, não vou desistir, porque eu sei a quem estou pedindo!”. Essa oração insistente e confiante é perseverante! Ela perdura e não para, mas se a fizermos sem fé, nada alcançaremos!

Sabe, meus irmãos, aos poucos a nossa fé vai se arrefecendo, vai diminuindo, porque não temos perseverança, não temos insistência e persistência nas coisas de Deus. Não deixamos de acreditar no Senhor, mas deixamos de colocar inteiramente n’Ele a nossa confiança! Às vezes, passamos a confiar mais em coisas, em situações (que mais tarde irão nos decepcionar) e deixamos de confiar n’Aquele que jamais nos abandonará.

Deus, quando voltar, que encontre fé em nosso coração! Trabalhemos para isso, alimentemos pela oração a vida de fé, porque só ela nos mantém unidos a Deus!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários