26 set 2011

Ser acessível aos outros é sinal de crescimento

O Evangelho de hoje trata de um assunto que nunca “sai de moda”: os sete pecados capitais, que se resumem no desejo de ser grande. O desejo de se sentir importante é um dos mais primitivos sentimentos do ser humano. Aliás, o ditado popular diz que o coração do homem é insaciável de ambições. Quanto mais tem, mais quer.

Diferentemente da nossa maneira de pensar e ver, Jesus nunca olha para uma pessoa, mas sempre olha “através” da pessoa. Quando olhamos para alguém, não percebemos o que aquela pessoa está passando, pensando, sentindo. Isso somente conseguimos saber quando nos anulamos e nos colocamos no lugar da outra pessoa. Jesus foi, então, o maior de todos os psicólogos existentes. Ele sondava o coração e era capaz de “ser” aquela pessoa.

Na passagem de hoje, Ele sondou o coração dos discípulos e sentiu que eles se perguntavam quem, dentre os Doze, seria o maior. Eles eram humanos como nós, e dentro do grupo, procuravam uma posição de destaque. Observe que o Senhor não coloca todos no mesmo patamar. Ele admite que haja a possibilidade de alguém ser maior que os outros. Existe uma hierarquia no Reino dos Céus. Mas essa hierarquia é o inverso da nossa.

Aqui, neste mundo, quanto maior for a sua posição, tanto mais inacessível você se torna. Na hierarquia de Jesus, quanto mais acessível você for, tanto maior será a sua posição. Viu como inverte duplamente? Neste mundo, você cresce e se torna inacessível; no Reino dos Céus, você se torna acessível e cresce!

Quando as pessoas tiverem medo e resistência em falar com você, significa que algo está errado. O primeiro passo é assumir. Se você não assumir, não vai conseguir nem passar para o segundo passo: descobrir a razão disso.

A maioria das pessoas quer interagir mais, ter mais e melhores amigos. Mas só o farão se encontrarem abertura no seu coração. E isso pode ser na forma de um sorriso, uma brincadeira ou até em você saber o nome da pessoa e chamá-la pelo nome. E esse já é o terceiro passo: abrir-se. Em pouco tempo, você já vai ser tão solicitado, que não vai dar nem conta de tanta responsabilidade.

O missionário do Reino, portanto, não pode desprezar ninguém! A criança que Jesus tomou nos braços, nesta passagem, representa não só as crianças, mas todos os que são excluídos neste mundo.

Cristo nos revela hoje a novidade do projeto de Deus: é um mundo de justiça, de vida plena para todos, abolindo os privilégios daqueles que concentram poder a partir do acúmulo de riquezas ou do prestígio religioso. O Senhor nos apresenta como exemplo e, sobretudo, condição para sermos os maiores no Seu Reino, o olhar puro e simples de uma criança. A criança como símbolo e modelo de humildade e inclusão no Reino dos Céus. Somos chamados a viver dedicados ao serviço, sem pretensões de poder e privilégios.

Rezemos: Pai, que eu busque sempre me destacar no serviço ao meu semelhante – de modo especial aos mais necessitados, – pois nisso consiste minha verdadeira grandeza de discípulo. E que, nesta busca, eu seja simples, puro e humilde como as crianças. Amém.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários