27 mar 2012

Se quisermos ter vida com Cristo precisamos buscar as coisas do Alto

O tema principal do Evangelho de hoje é a revelação que Jesus faz de Si mesmo, argumentando que foi enviado pelo Pai para trazer a mensagem da salvação. Os judeus e fariseus não entendiam bem o que Jesus estava dizendo, por isso  interpretavam como queriam aquilo que escutavam. Por exemplo: quando Jesus dizia que para onde iria, eles não poderiam acompanhá-Lo, os judeus pensavam que Jesus estava dizendo que iria se matar. Quando Jesus falava d’Aquele que O enviou, os judeus pensavam numa pessoa humana; não compreendiam que Jesus estava falando de Deus.

Jesus afirma àqueles que questionavam Suas palavras: “Vocês são daqui debaixo, mas eu sou lá de cima. Vocês são deste mundo, mas eu não sou deste mundo” (Jo 8,23).

Os cristãos não são pessoas que “simplesmente concordam” com o que Jesus ensinou. Eles são chamados a seguir o Mestre, sendo testemunhas da Sua presença no mundo. Os cristãos devem sentir-se filhos de Deus, atraídos pelo exemplo do próprio Cristo. É muito mais do que admiração por uma doutrina ou por alguém. É um compromisso de atualizar o ensinamento e estabelecer um novo relacionamento com Deus e com os irmãos. Por isso, a fé não se expressa apenas nos momentos de comemoração, de celebração ou de espetáculo. A fé impulsiona a pessoa para um futuro melhor do que o presente e exige o empenho pessoal para mudar o que é necessário e possível.

Diante do cristão está a imagem de Cristo na cruz do Calvário, como lembrança do alto preço que foi pago para assegurar-lhe um destino feliz. Entende-se, então, o que o Mestre disse certa vez: “Quando tiverdes elevado o Filho do Homem, sabereis quem eu sou”. Os sofrimentos e a morte de Jesus são a expressão da intensidade do Seu amor por todas as pessoas, revelando que o nosso Deus é amor sem fim.

Quando o Mestre falava sobre esse assunto, os discípulos achavam muito estranho. De fato, é difícil explicar, pois não se trata de entender com a razão. Somente ao chegar o momento decisivo da cruz é que se verificou o contraste, a grande diferença: de um lado o medo que afugentou quase todos os seus amigos e, do outro, a incompreensível entrega da vida para que todos voltem para Deus. Então, Jesus acusa aqueles judeus de não serem do Alto como Ele.

A característica que faz com que Jesus seja do Céu – e que o Pai nunca saia da Sua companhia – é que Ele sempre faz o que é do agrado de Deus. Se nós quisermos ter vida com Ele n’Ele, precisamos buscar as coisas do Alto.

“Pai, reforce minha fé em Seu Filho, Jesus, cuja morte nos resgata da escravidão do pecado e nos introduz no Reino da fraternidade.

Padre Bantu Mendonça

Comentários

Setembro

50%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários