10 set 2011

Palavras e obras revelam o interior da pessoa

Realmente não existe árvore boa que produza frutos ruins, nem árvore má que dê frutos bons. Portanto, pelo fruto se conhece a árvore. Que tipo de árvore é você? É pelas ações e atitudes que se conhece se alguém é bom ou mau.

Quem tem a trave no olho é árvore má: não pode dar bons frutos nem pode converter os outros, como nós ouvimos no texto de ontem, senão somente escandalizá-los com seu mau procedimento. Ninguém pretende colher figos de um espinheiro, nem se apanham uvas de urtigas. Da mesma forma, como pretenderá alguém corrigir os outros se ele mesmo leva uma vida desregrada?

O homem bom diz e tira sempre o bem do depósito de boas ações que constituem o tesouro do seu coração, como raiz de uma árvore. Mas o homem mau diz coisas más porque há maldade em seu coração. Pois a boca fala daquilo de que está cheio o coração, segundo a Palavra de Deus.

“Por que vocês invocam ‘Senhor! Senhor!’, e não praticam o que lhes peço? A fé deve ser comprovada pelas obras para vocês não se tornarem guias cegos ou árvores infrutíferas. Vou mostrar-lhes a quem é comparável todo homem que vem a mim crendo, escuta de coração aberto a minha Palavra e a põe em prática. É semelhante a um homem que, ao construir sua casa, cavou bem fundo e assentou os alicerces na rocha. Vieram as enchentes, precipitaram-se contra aquela casa da vida, e ela não desabou por estar bem construída sobre a rocha. Assim, aquele que ouve as minhas palavras e as pratica não abala sua estrutura religiosa interior com as tempestades e enchentes da vida, porque tem seus alicerces em mim. Aquele, porém, que ouve as minhas palavras e não as põe em prática na vida é semelhante ao homem que construiu sua casa ao rés do chão, sem o devido alicerce. Quando as águas das enchentes vieram contra essa casa, ela desabou. E sua ruína foi total. Assim, aquele que não fundamenta sua vida em mim, quando lhe surgem problemas, cai no desequilíbrio e na desgraça”.

Neste texto, Jesus se dirigiu e se dirige especialmente à hipocrisia e à malícia interior dos fariseus e nossa – que nos julgamos perfeitos e seguimos somente para contradizê-lo e molestá-lo. E que se aplique a nós o ensinamento dessas duas casas.

As casas representam a nossa vida: só se constrói uma vez. Por isso, salvação ou condenação – isto é, casa da vida sobre a rocha ou sem alicerce – se decide neste mundo pela vivência ou não da Palavra do Senhor no Evangelho.

Quem apenas ouve, mas não segue, não terá forças para resistir às enchentes dos problemas e sofrimentos da vida, e sofrerá tremenda catástrofe no julgamento final.

O coração é a fonte dos sentimentos, que geram pensamentos, palavras, ações, e é a sede das decisões. Palavras e obras revelam o interior da pessoa, desmascaram o coração como os frutos mostram a qualidade da planta. Consciência em ordem e coração que transborda o bem são pressuposições para quem exerce qualquer apostolado. Nosso tesouro interior será bom se a Palavra de Jesus tomou posse do coração. Não podemos chamar Jesus de ‘Senhor’ se não vivermos a Sua Palavra. Por isso, dai-me, Senhor, a graça de ser uma boa árvore que produza bons frutos para os meus irmãos e irmãs.

Padre Bantu Mendonça

Comentários