14 nov 2009

QUANDO VIER O FILHO DO HOMEM ENCONTRARÁ FÉ NA TERRA? Lc 18,1-8

Por um lado, um juiz mau, que não teme a Deus e aos homens. Não quer ser perturbado. Por outro lado, uma viúva, duplamente marginalizada: por ser mulher e por ser viúva. Mas ela conhece o seu direito; insiste, não desanima. E o juiz, para ver-se livre, a atende.

Jesus pergunta: “quando vier o Filho do homem encontrará fé sobre a terra?”. Diz-se que o nosso mundo é secularizado, que não há mais fé, não se reza, vive-se sem Deus e sem a Igreja. A linha direta entre o homem e Deus parece interrompida. Nós respondemos: sim, ele encontrará fé, porque encontrará tanta gente que reza, com insistência, como a viúva do evangelho, como os monges em seus mosteiros, como os pais e mães, como os doentes ou idosos que estão em ligação constante com Deus. Estes mantêm a fé viva sobre a terra.

Mais uma vez Jesus insiste na necessidade de rezar sempre: “é necessário orar e nunca deixar de o fazer”.

Quando Lucas escreveu seu evangelho, os cristãos sofriam perseguições por toda parte, mas não desanimavam. A oração é nosso encontro com Deus e se o fazemos com fé, ela é sempre eficaz, porque Deus nos dará o seu Espírito Santo (Lc. 11,123). Saber orar não é tão difícil.

Podemos fazê-lo de dois modos: individual ou comunitariamente.

Rezar não é forçar Deus a fazer nossa vontade, não é uma fórmula mágica que resolve os problemas, mas  é aceitar a liberdade e paciência de Deus. Imitemos Jesus: “Pai, se for possível… não se faça a minha vontade”.

Não devemos ter medo de nossa fraqueza. Deus gosta de ser importunado. Rezar não é tentar mudar Deus, mas mudar nós mesmos. (Oração para passar de ano). Não ter medo; temos dentro de nós a arma decisiva: a nossa pobreza diante de Deus, que não é um juiz insensível, mas um Pai que se deixa comover pelo grito de seus filhos e está impaciente para ouví-los.

A fé não é automática nem é dada para sempre; tem que ser alimentada. Só para citar um exemplo, quando João Paulo II voltava de uma das suas exaustivas viagens, todo o seu séquito, prelados, jornalistas e demais pessoas, todos ficaram aturdidos pela fadiga. Ele não; está radiante; é a oração que o nutre. Na viagem apostólica à Suíça, alguém o ofendeu. Ele calou, e, depois, não se sabe como, ele desapareceu. Após certo tempo o encontraram: estava em uma capela, prostrado diante do tabernáculo.

“Sabes que revogaram o decreto celeste que deveria desencadear uma catástrofe sobre o nosso povo? perguntou um sábio a um rabino. Eu te direi: não foi nem tu, nem eu, nem os sábios, nem os grandes chefes espirituais. As nossas ladainhas, os nossos jejuns que surtiram algum efeito. Eis o que aconteceu: chegou à sinagoga uma mulher e começou a chorar cantarolando: Senhor do universo, não és acaso nosso Pai? Por que não escutas os filhos que te imploram? Veja, eu sou mãe. Tenho cinco filhos e quando os vejo derramar alguma lágrima, despedaça-me o coração. Mas, tu, Pai, tens muitos filhos. E todos choram. Mesmo que o teu coração seja de pedra, como podes ficar indiferente? E Deus lhe deu razão. E atendeu a súplica dela.”

E você o que tem feito?

Durante a guerra dos cruzados, muitos cristãos foram aprisionados pelos maometanos. Na prisão, um oficial turco, todos os dias passava pelas celas e cumprimentava os prisioneiros com amabilidade. Somente um era tratado de um modo diferente. O oficial o cumprimentava, dizendo: “cão de cristão”. Este cristão lhe perguntou o porquê disto. E ele responde: “porque todos os outros cristãos rezam e você não”.

Saiba que a fidelidade da nossa oração é uma prova da nossa fé. A perseverança da nossa oração revela a nossa humildade diante de Deus e faz com que sejamos fiéis ao que nos propomos. Quem não persevera na oração com fé, nunca poderá ver realizados os seus pedidos e os seus desejos. Sabemos que somos impotentes, mas podemos desejar coisas impossíveis, porque confiamos na justiça de Deus. Por isso, a persistência das nossas reivindicações nos torna firmes e nos faz ter convicção e fé na promessa de Jesus de que tudo quanto pedirmos ao Pai, em Seu nome será atendido.

A parábola do juiz injusto nos leva a meditar sobre a justiça de Deus em relação à nossa fé. Se o juiz da parábola, mesmo sendo injusto, atendeu ao pedido da viúva por causa da sua insistência, quanto mais justiça nos fará Deus Pai, quando nos voltamos com fé e insistirmos em pedir pelas nossas necessidades. Portanto, Jesus está nos ensinando e nos dando uma dica: a insistência da nossa oração exercitará em nós a perseverança e a certeza do que desejamos diante do Pai. Quando desistimos com facilidade dos nossos pleitos diante de Deus é porque não temos muita segurança do que pedimos. A perseverança torna forte a nossa alma, porém, com ela deve estar de braços dado, a esperança que significa esperar com confiança.

A viúva pediu ao juiz para fazer-lhe justiça contra o seu adversário, assim também nós devemos pedir ao Senhor que a Sua vontade se realize na nossa vida, porque justo para nós é tudo o que o Senhor nos conceder. Não tenhamos receio em bater à porta do Pai para pedir tudo o que nós desejamos, porém, nos contentemos com tudo quanto Ele nos conceder porque Ele conhece as nossas necessidades e sabe de que nós precisamos para sermos felizes. Nunca nos devemos cansar de pedir, de suplicar por aquilo que o nosso coração deseja. O esperar em Deus é prova de Fé e de paciência. Aquele que espera no Senhor é o seu escolhido. Não percamos a nossa esperança. Deus proverá. A qualidade da nossa fé é para o mundo um testemunho vivo capaz de atrair muitas pessoas a também abraçarem a causa de Jesus e, assim, fazer com que Ele, quando voltar, ainda encontre fé sobre a terra.

Você tem insistido ou já desistiu de pedir a Deus aquilo de que tanto você precisa? Como você pede, com confiança ou achando que o poder de Deus é limitado tanto quanto o seu? Você tem convicção dos pedidos que tem feito a Deus na sua oração? Você seria capaz de continuar pedindo por isso a vida toda? Você está disposto(a) a ajudar com que a fé permaneça na terra até Jesus voltar?

Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários