15 Feb 2010

Qual sinal estamos buscando?

Jesus, além de ser Deus, Deus mesmo que se encarna e assume a nossa humanidade se fazendo igual a nós em tudo, exceto no pecado, é – pela Sua encarnação – o grande sinal visível da graça invisível da presença do Pai em nosso meio. Foi Cristo mesmo quem disse: “Quem me vê, vê o Pai.”

Jesus Cristo, por excelência, é o grande sinal do Pai em nosso meio. Para dizer que, se tomamos a decisão de buscar Deus em nossa vida, em tudo encontraremos o sinal concreto da presença de Deus em nossa vida; agora, se buscarmos aquilo que Deus tem a nos oferecer, teremos sérias dificuldades para descobrir-Lo nas coisas e nos acontecimentos.

Tenho meditado muito acerca dos milagres que somos chamados a saborear, das intervenções maravilhosas de Deus na vida, pela intervenção de um Santo, quando celebramos uma memória ou uma festa de um Santo na Igreja. Muitas pessoas querem sinais, querem milagres, fazem promessas – algo que não é errado, e que devemos continuar a fazer. Todavia, o mais importante ao comemorarmos um Santo é a certeza de que devemos imitar a vivência das virtudes e dos valores evangélicos que aquele Santo ou aquela Santa viveram. Vou mais além ainda: caminhar de joelhos em torno de uma igreja, para pagar uma promessa, por exemplo, é fácil; difícil é tomarmos a decisão de seguirmos os passos de tal Santo ou tal Santa. Continuemos a fazer nossas promessas, nossos pedidos, mas vamos mudar nossas concepções sobre aquilo que é a essência.

Os fariseus pediram um sinal. O grande sinal é Jesus: sinal da presença de Deus em nosso meio, em nossa família. Quantas vezes suplicamos sinais e sinais diante de Deus. Quem busca o Senhor e procura viver a Sua Palavra, entende quem em tudo e em todas as circunstâncias, ali está a presença de Deus agindo e operando em nossa vida.

Certa vez aconteceu na vida de uma família, algo que abalou uma cidadezinha no interior de um determinado Estado. A família era composta por três pessoas: o pai, a mãe e uma menina – filha do casal – que tinha por volta de 5 anos de idade. O pai era usuário de drogas e, quando drogado ou na falta da droga, tinha atitudes de extrema violência. Numa determinada noite, após a esposa chegar em casa, sem conseguir dinheiro para que seu esposo pudesse ingerir droga – cocaína, no caso – este, tomado de profundo desiquilíbrio emocional e psicológico, puxou o revólver e deu dois tiros na esposa, e não suportando a dor do arrependimento, instantaneamente puxou o gatilho dando um tiro em sua cabeça, cometendo suicídio. A filha de 5 anos estava ali presenciando toda a cena. Quando a polícia chegou, foi logo se encarregando de tirar a menina daquele ambiente horrível. Passado uns meses, sem notícia de parentes daquele casal morto, a criança foi adotada por uma família muito católica e ali foi crescendo e sendo educada na fé.

Quando ela chegou aos completou 9 anos de idade, seus pais adotivos foram conversar com o padre da comunidade para que a menina fosse introduzida na turma em preparação para a Primeira Eucaristia. O casal conversou com o padre acerca do histórico horrível da menina para com os seus pais biológicos e este – o padre – foi conversar com a catequista para que fizesse uma dinâmica toda especial para a primeira “aula” de catequese da menina. A catequista providenciou um quadro muito lindo de Jesus Misericordioso e o cobriu com uma toalha, preparando a sala para o primeiro encontro de catequese. A catequista pediu para as crianças que fossem entrando na sala e que cada uma tomasse a sua carteira, para que pudessem dar início ao encontro. As crianças, tomadas de curiosidade, num primeiro momento foram convidadas para aquelas apresentações, para que pudessem se conhecer. Após a costumeira apresentação, a catequista introduziu a dinâmica – muito simples – retirando a toalha de cima do quadro.

Ao tirar a toalha, ela pediu para as crianças, que sabiam quem era aquele homem, que levantassem a mão para responder; quem soubesse, ganharia uma lembrança. Mas tinha que saber o nome e um pouco da história daquela devoção, a devoção de Jesus Misericordioso. Qual foi a surpresa, frente à pergunta da catequista? Aquela menina, cuja morte dos pais foi trágica, não somente levantou a mão, mas com um grande sorriso pulou da carteira e gritou para que pudesse responder. A catequista perguntou:  “Você sabe quem é este homem? E o nome dele?” A resposta da menina foi taxativa: “Tia, não sei o nome e nem de onde este homem vem; só sei que foi ele que me pegou pela mão e me colocou no colo no momento em que meu pai matou minha mãe e se matou; senti muita paz naquele momento, uma paz que vinha de dentro deste homem!”

Jesus é o sinal, por excelência, do amor misericordioso do Pai. Mas para que possamos ver o sinal – que é Jesus – nos fatos e nos acontecimentos, por piores que sejam, é preciso que tomemos a decisão de ver tudo e todos com um olhar de amor, de misericórdia; com um olhar que seja capaz de não só enxergar, mas ver além das coisas e dos fatos. É preciso olhar além e através das coisas e dos fatos.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

Comentários

Novembro

40%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários