12 nov 2011

Persevere na oração para não ser vencido

Esta parábola do juiz injusto é um ensinamento muito expressivo acerca da eficácia da oração perseverante e firme. E, providencialmente, constitui a conclusão da doutrina sobre a vigilância exposta nos versículos anteriores. O fato de comparar o Senhor com uma pessoa como esta, põe em relevo o contraste entre ambos: se até um juiz injusto acaba por fazer justiça àquele que insiste com perseverança, quanto mais Deus, infinitamente justo e nosso Pai, escutará as orações perseverantes dos Seus filhos.

Deus fará justiça aos Seus escolhidos que clamam por Ele sem cessar. A necessidade da oração fundamenta-se na necessidade da graça atual. É uma verdade de fé que, sem esta graça, nos achamos em impotência radical de nos salvarmos e, com maior força de razão, de atingirmos a perfeição. De nós mesmos, por melhor uso que façamos da liberdade, não podemos nem nos dispor positivamente para a conversão, nem perseverar por tempo notável, tampouco, e sobretudo, perseverar até à morte: Sem mim, diz Jesus a Seus discípulos, nada podeis fazer, nem sequer ter um bom pensamento.

São muito claros os textos que nos mostram a necessidade de rezar se quisermos alcançar a salvação: “É preciso rezar sempre e nunca descuidar” (Lc 18,1). “Vigiai e orai para não cairdes em tentação” (Mt 25,41). “Pedi e dar-se-vos-á” (Mt 7,7).

É preciso rezar. “Orai” e “pedi” significam e impõem um preceito e uma obrigação, um mandamento formal.

Os Padres da Igreja tais como, por exemplo, São Basílio Magno, São João Crisóstomo e Santo Agostinho ensinam que a oração para os adultos é necessária, não somente por ser um mandamento de Deus como também por ser um meio necessário para a salvação. Assim, torna-se impossível que um cristão se salve sem pedir as graças necessárias para a sua salvação.

Depois do batismo, a oração contínua é necessária ao homem para poder entrar no céu. Embora sejam perdoados os pecados pelo batismo, sempre ainda ficam os estímulos ao pecado – que nos combatem interiormente – o mundo e os demônios – que nos combatem externamente.

A oração é necessária não para que Deus conheça as nossas necessidades, mas para que nós fiquemos conhecendo a necessidade que temos de recorrer a Deus, para receber oportunamente os socorros da salvação. Assim, reconhecemos Deus como único Autor de todos os bens, a fim de que conheçamos que necessitamos de recorrer ao auxílio divino e reconheçamos que Ele é o Autor dos nossos bens.

No texto de hoje vemos a descrição das duas personagens. O juiz é mau. A viúva é pobre e sem amparo, o único recurso desta é a perseverança em implorar justiça. Perseveremos também em nossa oração, nós que tratamos não com um juiz iníquo, mas com um Pai rico em misericórdia.

A razão que o Senhor dá para atender as orações é tríplice: a Sua bondade, que tanto dista da compaixão do juiz; o amor que tem pelos Seus discípulos e, por último, o interesse que estes mostram na perseverança na petição. Deus está sempre atento a quem O invoca. Pede-Lhe sem titubear e conhecerá que a Sua grande misericórdia não o abandona, mas dará cumprimento à petição de sua alma.

A viúva não desanimou, mas perseverou e foi atendida. Perseveremos também na oração e Deus nos atenderá. É, pois, necessário que rezemos com humildade e confiança. Entretanto, isso somente não basta para alcançarmos a perseverança final e, com ela, a salvação eterna. As graças particulares que pedimos a Deus, podemos obtê-las por meio de orações particulares. Mas, se não perseverarmos na oração, não conseguiremos a perseverança final, a qual compreende uma cadeia de graças e, por isso, supõe repetidas e continuadas até à morte.

Assim como nunca cessa a luta, assim também nunca devemos deixar de pedir a misericórdia divina, para não sermos vencidos. Se quisermos, pois, que Deus não nos abandone, devemos pedir-Lhe sempre que nos auxilie. Fazendo assim, certamente Ele nos assistirá sempre e não permitirá que nos separemos d’Ele e que percamos a Sua amizade.

Procuremos, por isso, rezar sempre e pedir a graça da perseverança final, bem como as graças para consegui-la.

A oração perseverante é índice de fé profunda, de firme esperança, de caridade viva para com Deus e o próximo. O ensinamento de Jesus Cristo sobre a perseverança na oração une-se com a severa advertência de que é preciso se manter fiel na fé.

Fé e oração estão intimamente unidas. Creiamos para orar e para que não desfaleça a fé com que oramos, oremos. A fé faz brotar a oração. E a oração, enquanto brota, alcança a firmeza da fé. O Senhor anunciou a Sua assistência à Igreja para que possa cumprir indefectivelmente a sua missão até ao fim dos tempos (cf. Mt 28,20).

A Igreja, portanto, não pode se desviar da verdadeira fé. Porém, nem todos os homens perseverarão fiéis, mas alguns se afastarão voluntariamente da fé. É o grande mistério que São Paulo chama de iniquidade e de apostasia (cf. II Ts 2,3), e que o próprio Jesus Cristo anuncia noutros lugares (cf. Mt 24,12-13). Deste modo o Senhor previne-nos para que, ainda que à nossa volta haja quem desfaleça, nos mantenhamos vigilantes e perseveremos na fé e na oração. Deus há de ouvir, finalmente, aos Seus eleitos se eles orarem com fé e perseverança. Ainda que seja ao cabo de vinte, trinta anos, no fim da vida. Que é isso em relação à eternidade?

Mas, infelizmente, a fé vai enfraquecendo. E com ela a caridade. E sem caridade é impossível a oração.

Padre Bantu Mendonça

Comentários