06 dez 2015

Permitamos que a Palavra eterna de Deus fale por meio de nós

Deixemos de lado palavras vazias, fúteis, ambiciosas e gananciosas. Deixemos para trás palavras que geram angústias, fofocas e maledicências. Permitamos que a Palavra eterna de Deus fale em nós e por meio de nós

E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados” (Lucas 3,3).

A graça deste domingo do Advento é contemplarmos o papel de João Batista na história da salvação. Quando falamos do papel dele, é, na verdade, para reconhecermos a importância que cada um tem no plano salvífico de Deus.

Esse ‘papel’ [de João Batista] não é representação, mas missão, compromisso, responsabilidade de cada um para que o Reino de Deus aconteça e se estabeleça. Se a plenitude da responsabilidade e da salvação de todos cabe a Jesus, Ele conta com operários, com mãos e cabeças, conta com o empenho de homens e mulheres de todos os tempos, de todos o lugares e classes sociais.

João Batista foi aquele que preparou os caminhos e a voz de Deus no deserto. Talvez poucas pessoas pudessem se lembrar da voz de João, porque ele não saía pregando em todos os lugares, mas quem ia ao deserto escutava aquela voz.

É muito interessante João saber distinguir que ele era apenas a voz, e que a Palavra vinha depois dele. João apenas emprestava a sua voz para que o Verbo, para que a Palavra eterna de Deus saísse e falasse por intermédio dele. É por isso que as palavras de João salvavam e convertiam corações, pois elas transformavam vidas!

Não é que João fosse capaz de transformar, curar e renovar alguém, mas, uma vez que se dispôs a ser a voz de Deus, mesmo no deserto a Palavra fazia acontecer.

Deixemos de lado palavras vazias, fúteis, ambiciosas e gananciosas, palavras que geram angústias, fofocas e maledicências; deixemos que a Palavra eterna de Deus fale em nós e por meio de nós.

Que o Senhor fale em nossa vida, em nossos atos, mas que nós façamos como João: permitamos que Deus fale por meio de nós, e que sejamos a boca d’Ele para o mundo tão carente, tão necessitado de palavras que renovem, curem, transformem e mostrem onde está o caminho da salvação.

Deus usou de João, porque este foi dócil, obediente e usou sua voz a serviço do Senhor.

Hoje, nós queremos ser a voz de Deus nos desertos da vida, queremos ser a voz d’Ele onde estivermos; para isso precisamos da docilidade divina, a fim de que o Senhor também fale por meio de nós!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: mailto:padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários