03 ago 2012

Peçamos, hoje e sempre, um revigorar do dom da fé

Irmãos e irmãs, no capítulo 13 do Evangelho de São Mateus, encontramos Jesus Cristo em Sua plena atividade apostólica, a qual Ele estende para a localidade de Nazaré, sua cidade e lugar escolhido pela Divina Providência para a Sua vida oculta.

Ali, Cristo viveu e cresceu humanamente, cumprindo a vontade do Pai secretamente, em meio aos seus:E Jesus ia crescendo em sabedoria, tamanho e graça diante de Deus e dos homens” (Lc 2,52). Embora o texto sagrado correspondente ao Evangelho de hoje (cf. Mt 13,54-58) aparente uma admiração daquele povo, inclusive dos familiares do próprio Jesus – ou seja, pessoas do seu clã -, eles desconheciam a origem da ação miraculosa e sábia do Nazareno:De onde vêm essa sabedoria e esses milagres?” (Mt 13,54).

Nas entrelinhas, eles estavam testemunhando que a tradição religiosa e suas raízes culturais – tampouco a atividade laboral realizada na carpintaria – não poderiam servir como causa de tantas maravilhas na vida e na obra de Jesus, ou seja, de um concidadão.

De certa forma, podemos estar de acordo com as interrogações daquele povo. Mas existem causas profundas que o texto vai desvelando e que não podemos concordar, caso queiramos ser os apóstolos dos tempos atuais. Vejamos:

Da parte de Jesus Cristo, Ele testemunhou que não negava em seu mistério e ministérios as suas raízes religiosas, pois ensinava na sinagoga e sabiamente acolheu a sua procedência, ainda que não fosse numa localidade louvada, como o mesmo evangelista deu a entender sobre a região, onde também estava Nazaré: Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região além do Jordão, Galileia, entregue às nações pagãs! O povo que estava nas trevas viu uma grande luz, para os habitantes da região sombria da morte uma luz surgiu” (Mt 4,15).

Jesus sempre esteve no lugar certo e na hora certa, para iluminar e salvar… Mas houve aqueles que, em Nazaré, preferiram as trevas (a exemplo de muitos ainda hoje). Uma reação que não correspondeu e nem está nos planos de Deus para ninguém mas, nem por isso, estas atitudes são desconhecidas pela ação da Palavra de Deus neste mundo: Ela estava no mundo, e o mundo não a reconheceu. Ela veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram” (Jo 1,11).

Por isso, o último versículo do Evangelho de hoje é esclarecedor ao fornecer o motivo pelo qual Jesus havia se tornado um “escândalo”, uma pedra de tropeço para aquele amado povo e não o orgulho da nação: E não fez ali muitos milagres, por causa da incredulidade deles” (Mt 13,58).

De fato, em relação ao mistério e ministério do Verbo encarnado para a salvação dos povos e de cada um, passa ordinariamente pela resposta da de cada um. Uma verdade que a Igreja Católica e Apostólica pode constatar através dos seus primeiros arautos, os quais não desistiram do anúncio, ainda que experimentando na própria pele o que significa ser profeta desvalorizado e desprezado pelos seus” (cf. Mt 13,57).

O exemplar São Paulo percebeu as consequências da incredulidade a não poupar nenhuma cultura ou nação: Pois tanto os judeus pedem sinais, como os gregos buscam sabedoria. Nós, porém, proclamamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos. Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é poder de Deus e sabedoria de Deus” (1Cor 1,22-24). Isto também traz uma verdade subjacente: o dom da vem do Alto e não nasce naturalmente com cada pessoa. Não é fruto de umageração espontânea”. Fé, é antes de tudo, um dom da Misericórdia Divina. A origem é divina e a recepção é humana.

Por isso, neste tempo de Nova Evangelização, não podemos estranhar o desprezo de muitos e tampouco nos escandalizarmos com a incredulidade que ainda existe no mundo atual. Mas que os apóstolos de hoje possam prosseguir a missão segundo o zelo pela salvação das almas que ardia eaté o fim dos tempos – queima no Coração Sagrado e desprezado de Jesus Cristo, o qual sustenta o ministério apostólico de Sua Igreja, como fez com Paulo, o apóstolo das nações.

Peçamos hoje e sempre um revigorar do dom da para todos os anunciadores de Jesus Cristo, como Igreja enviada a uma Nova Evangelização, e um despertar do mesmo dom aos batizados que não cultivam a fé.

Quanto aqueles que não possuem ainda a fé, ou a desprezaram por completo, não esqueçamos daquela atitude misericordiosa de Jesus Cristo, que não negou ser de Nazaré e ali fez alguns milagres. Nesta reação de Cristo encontramos também uma palavra de revelação da vontade do Pai das Misericórdias a todos os profetas que experimentam o desprezo e a desvalorização por causa da missão cumprida nos tempos atuais.

Repito: para a Palavra de Deus, as piores reações humanas não são nem novidade e muito menos desmotivação para a missão de salvar almas: Mas nem todos obedeceram à Boa Nova, pois Isaías diz:Senhor, quem acreditou em nossa pregação?’ Logo, a vem pela pregação e a pregação, pela palavra de Cristo” (Rm 10,16).

Padre Fernando Santamaria

Comunidade Canção Nova

Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários