07 set 2016

Os pobres ocupam um lugar especial no coração de Deus

Ser pobre é ser desprendido; e quanto mais um coração é desprendido, mais nele Deus habita e se faz presente

Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus!” (Lucas 6,20).

 

Estamos vendo, em Lucas, as bem-aventuranças de Jesus. Ele está exaltando os pobres, os que têm fome, que choram, são odiados, perseguidos e insultados.

Quando olhamos para um mundo em que vivemos, vemos que a grande parcela da humanidade passa por essas realidades exaltadas por Jesus. Enquanto esses – pobres, perseguidos, marginalizados, sofridos e discriminados –, de fato, são deixados à margem, no coração de Jesus eles assumem um lugar especial. Quando passamos por situações de penúrias na vida, quando estamos tristes, vivendo aflições, vivendo aquela pobreza dentro de nós, a indigência por não termos as coisas, sentimo-nos esquecidos por Deus. Mas, na realidade, é o contrário, porque esses são os mais lembrados e queridos, ocupam um lugar especial no coração de Deus.

Você talvez se pergunte: “Por que, no mundo em que vivemos, algumas pessoas têm bens demais e outras de menos?”. Deus não queria que fosse assim, mas já que as conjunturas do mundo, as realidades sociais e econômicas, e tantos outros fatores levaram o mundo a ser assim, a lógica é que aqueles que têm, cuidem dos que não têm; não para fazer favor, mas sim para fazer justiça. A lógica é que aqueles que estão felizes não deixem de consolar e cuidar daqueles que choram; a lógica é que quem passa por um período bem, com saúde, cuide daqueles que não têm saúde. No entanto, há um fator muito grave em meio a tudo isso: o egoísmo e a ganância humana.

Primeiro, o egoísmo, pois quem tem [bens, dinheiro…] só quer saber de ter mais, e é incapaz de repartir aquilo com os que têm menos. O egoísmo nos leva a cuidar só das nossas coisas e dos nossos interesses. Quem tem um celeiro quer que ele cresça, mas não aprende a dividi-lo nem ensina os outros a fazer celeiros também. Deixamos de ser felizes e bem-aventurados, porque a ganância e o egoísmo simplesmente tiram a paz verdadeira do coração!

Ser pobre não é viver a indigência ou não ter nada neste mundo. Ser pobre é ser desprendido; e quanto mais um coração é desprendido, mais nele Deus habita e se faz presente. Isso não quer dizer que Deus exclui quem tem; na verdade, quem tem mais é que O exclui, prefere colocar outras coisas ao coração d’Ele.

Às vezes, você pode ter bastante coisa, ter enriquecido com seu trabalho, mas sabe colocar suas riquezas no lugar delas, e não permite que nenhuma riqueza tire o maior tesouro de sua vida, que é Deus.

Há outros que não têm nada, mas vivem um desassossego, uma cobiça tão grande, que o coração vive sempre na inquietude e não se deixa enriquecer nem se encher por essa riqueza maior, que é a graça de Deus.

Um coração pobre é mais feliz, mas não pela pobreza, e sim pela riqueza maior que é Deus, Nosso Senhor!

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: mailto:padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários