17 dez 2009

OS ANTEPASSADOS DE JESUS CRISTO Mt 1,1-17

Por que davam tanto valor à genealogia? Era o meio infalível de preservar a identidade do povo israelita mesclado com outros povos. Os sacerdotes, bem como os que pretendiam um cargo público, deviam apresentar uma árvore genealógica sem mancha legal. Era uma honra descender de um tronco antigo, muito mais se ligado a Davi, cuja estirpe era portadora da mais elevada promessa: dela viria o Messias, Rei eterno (cf. SI 88,30). Prova que Jesus é verdadeiro homem e não um ser mitológico.

Na ascendência genealógica do Messias, só se considerava o primogênito. Aqui, Judá toma o lugar de Rubem, que era o primogênito (cf. Gn 29,32). Como assim? Rubem profanou o leito de seu pai; Jacó transferiu então para Judá a promessa da dignidade real messiânica (cf. Gn 49,10) e o primado sobre todos seus irmãos, cabeças das 12 tribos de Israel; deu ajuda a primogenitura (cf. Gn 35,22; 49,4; 1Cr 5,1).

Mateus escreve para os judeus, a quem só interessava provarem-se descendentes de Abraão. Lucas dirige-se aos pagãos convertidos, para mostrar a dimensão universal da missão de Jesus, que veio para salvar não só os judeus, mas todos os descendentes de Adão.

Basta considerar que entre Esrom e Naasson decorreram os 430 anos da estadia dos hebreus no Egito (cf. Ex 12,40), tempo que exige mais de 14 gerações, atribuindo-se mais ou menos 25 anos a cada geração. Mateus omite vários nomes intermediários. Também entre Salmon e Davi medeiam 350 anos, e nessa lista só constam 4 gerações. Entre Jorão e Ozias, foram omitidos os reis Ocozias, Joás e Amasias. Mateus, como fazem frequentemente os orientais, quis apresentar 14 gerações convencionais antes da escravidão na Babilônia por questão de simetria, para facilitar a memória, porque o objetivo não é dar a conhecer todos os ascendentes e sim mostrar os mais ilustres e famosos. Por exemplo, os três reis, Ocozias, Joás e Amasias foram maus e, por parte de mãe, vinham da família do também ímpio Acab, amaldiçoado por Deus (cf. 1Rs 21,21; Ex 20,5). Entre Josias e Jeconias, foi omitido Joaquim, por ter sido feito rei por Necao, faraó do Egito, e não pelo povo. Também para forçar o número artificial de 14 é preciso contar duas vezes Jeconias, antes e depois de Babilônia. De Abiud a José, os nomes não constam dos livros sagrados, mas de arquivos públicos. Catorze é múltiplo de 7, número sagrado para os hebreus, porque ligado à ordem dos planos divinos na história. Ou Mateus pode ter-se inspirado no valor simbólico da soma das consoantes do nome David no original, quando ainda não havia vogais: D = 4, V = 6, D = 4; total = 14.

Que dizer da presença de mulheres na ascendência de Jesus? Nas genealogias normalmente não se consideravam as mães. Na de Jesus, contrariando o uso judaico, foram inseridas algumas, não célebres matriarcas, como Sara de Abraão, Rebeca de Isaac, Lia e Raquel de Jacó, mas quatro, quase todas mal afamadas: Tamar, cananéia engravidada por seu sogro Judá (cf. Gn 38,13-19); Raab, prostituta cananéia em Jericó (cf.Js 2,1), Rute, moabita de sã conduta, mas pagã (cf. Rt 4,13-17) e Betsabé, a que adulterou com Davi (cf. 2Sm 11,3-5).

Mateus quer dar a entender que Jesus engloba toda a história de Israel, com suas glórias e seus erros, e que veio como Salvador de todos, judeus e pagãos (lição de universalismo), justos e pecadores (lição de graça), como “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29; cf. 2Cor 5,21). Ensina que nem mesmo a indignidade do homem consegue anular os planos de Deus em sua marcha por caminhos às vezes tortuosos e cheios de mistérios. Deus é fiel, mesmo quando o homem O nega.

José é um particípio presente que significa “aumentando”, “crescendo” (cf. Gn 30,24). Maria, Míriam ou Mariana é “senhora” ou “exaltada”. Jesus, lehoshua em hebraico, é “Deus salva” ou “salvador”. Cristo (grego) e Messias (hebraico) significam “ungido”, “consagrado” (cf. Ex 28,41; I Sm 10,1). Ungiam-se os reis e sacerdotes. Desde os tempos de Daniel, o nome de Messias foi atribuído ao Rei e Sacerdote por excelência, anunciado pelos profetas e esperado por todo o Israel. Ungir era consagrar para a mais importante missão.

Nas genealogias só se consideravam os homens. Ora, Maria, que era também descendente de Davi (cf. Rm 1,3; 2Tm 2,8), não tendo irmãos homens, devia casar-se com um parente para garantir a continuidade da estirpe davídica. José, por direito judaico, tornou-se o pai legal de Jesus, a quem deu o caráter legal da descendência davídica por ser legítimo esposo de Maria. Pai legal não era só quem gerava, mas também quem adotava ou quem recebia um filho em força da lei do levirato. Assim Lucas diz: José, filho de Heli, enquanto Mateus o dá como filho de Jacó. É que Heli morreu sem filhos e Jacó casou-se com a esposa de Heli, para dar a este descendência. José é filho natural de Jacó e filho legal de Heli.

A vida de Jesus começa com Sua inserção na história humana. Desde então Ele não estará longe, e sim junto de nós, solidário conosco, fazendo parte de uma raça, de uma família, de uma cultura com todas as suas implicações, um homem como nós apesar de ser totalmente diferente. Provém de Abraão, a quem fora prometida uma bênção (o próprio Jesus) que seria para todos os povos (cf. Gn 12,3), e provém de Davi, a cuja prole estava reservado um trono não político, mas eterno (cf. 2Sm 7,12-13; SI 88,29-30; 131,11-12).

No Messias, filho de Abraão, toda a humanidade é destinada a receber a realização da promessa de uma bênção eterna que, concretamente, é Jesus Cristo. A árvore genealógica de Jesus sintetiza toda a História da Salvação, inteiramente orientada para o seu luminoso termo: Jesus Cristo. A história antiga estava grávida de Cristo e trouxe Deus presente, mesmo nos caminhos tortuosos da humanidade. Tortuosos, mas incapazes de atravancar os planos pré-estabelecidos por Deus. Tortuosos, mas cheios de mistérios! O homem foi criado à semelhança de Deus. Adão gerou um filho à sua imagem e semelhança. Gerar, ser pai, é transmitir, pelo sangue, a imagem de Deus! (cf. Gn 5,1-3).

Obrigado pelos meus antepassados, Senhor. Sei que foram instrumentos de Deus para me transmitirem a vida com saúde e a força da fé que ilumina meu caminhar. Reconheço que tudo em mim é obra de um amor eterno. Perdão pelas atitudes que não refletiram minha imagem e semelhança divinas.

Comentários